Conecte-se conosco

Saúde

Dia do fisioterapeuta: a importância do tratamento para a longevidade das pessoas com Síndrome de Down

Especialista afirma que tratamento fisioterapêutico é essencial para a qualidade de vida desse grupo

Publicado

em

Dia do fisioterapeuta: a importância do tratamento para a longevidade das pessoas com Síndrome de Down

Os avanços da medicina e o surgimento de novos métodos de tratamento têm aumentado a expectativa de vida das pessoas com Síndrome de Down. É cada vez mais comum ver indivíduos com essa condição genética alcançarem a terceira idade. Entre as características recorrentes nas pessoas com Trissomia do Cromossomo 21 estão a hipotonia muscular e a frouxidão nos ligamentos dos membros, que causam diminuição da força, fraqueza muscular e atrasos no desenvolvimento motor. A fisioterapia, profissão celebrada neste dia 13 de outubro, tem um papel fundamental no tratamento desses sintomas, e colabora para uma melhor qualidade de vida desse grupo.

De acordo com Mary Makhoul, fisioterapeuta e coordenadora de Prevenção e Saúde da Federação das Apaes do Estado da Bahia (Feapaes-BA), é comum que logo na infância esses problemas sejam tratados. “O tratamento deve ser realizado por uma equipe multidisciplinar composta por fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, psicólogo e médico”, afirma. No entanto, a profissional alerta que esses cuidados precisam continuar durante a vida adulta, pois a hipotonia muscular e a frouxidão ligamentar estarão sempre presentes na vida desses indivíduos. “O acompanhamento da fisioterapia é imprescindível na vida da pessoa com Síndrome de Down, devido a sua tendência à obesidade, o surgimento da apneia do sono, disfunções na coluna cervical e o aumento da fraqueza dos músculos”, explica Mary.

Entre as práticas importantes no cuidado da saúde do adulto e do idoso com Síndrome de Down, Mary aponta a boa alimentação, a higiene do sono e as atividades físicas como essenciais no cotidiano. “O desenvolvimento da autonomia nas tarefas de vida diária, o autocuidado, a socialização, e a inclusão social e econômica também são fundamentais”, conta a fisioterapeuta.

Mary Makhoul ainda é diretora da Apae de Feira de Santana. A instituição possui uma equipe multiprofissional que atua de forma interdisciplinar no tratamento de pessoas com Síndrome de Down. “O acompanhamento se dá a partir de um plano terapêutico elaborado pela equipe, que é e baseado na Classificação Internacional de Funcionalidade (CIF), ferramenta da Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse plano é individualizado e evoluído de acordo com os resultados alcançados”, conta. Segundo Mary, a reabilitação tem como objetivo auxiliar a aquisição dos marcos motores, psicológicos e socioafetivos. “Espera-se que o cuidado integral com a saúde da pessoa com Síndrome de Down tenha como resultado final a manutenção da sua saúde física e mental, bem como o desenvolvimento da sua autonomia e inclusão social, e que em última análise se concretize em uma vida plena”, finaliza.

Para Narciso Batista, presidente da Feapaes-BA, o tratamento e a inclusão social são importantes para a longevidade das pessoas com essa condição genética. “O aumento da expectativa de vida desse grupo é uma grande vitória para nós. Nesta data comemorativa, parabenizo os profissionais de fisioterapia que colaboram para uma maior qualidade de vida desses indivíduos”, declara.  

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *