0

Um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde – OMS mostra que a qualidade do ar nas salas de aula pode ser um dos pontos mais preocupantes e impactantes na má qualidade de aprendizagem.

Isto porque, salas de aula são normalmente ambientes fechados e com pouca ventilação, fazendo com que haja o aumento do nível de CO2.

Um estudante fica, em média, 5 horas diárias na sala de aula. A qualidade do ar nestes espaços é fundamental para o desenvolvimento dos alunos.

“No momento, em que se fala de pandemia e transmissão de doenças respiratórias pelo ar, também é importante acrescentar que altos níveis de CO2, nas salas de aula, reduzem significativamente o desempenho dos estudantes. Em alguns casos a realização de tarefas podem ser classificadas como “insuficiente” quando os níveis se elevam”, explica Carlos Trombini diretor executivo da Aeris Tecnologia.

“Muitas vezes, os alunos estão expostos a grandes níveis de dióxido de carbono, não perceptíveis pelo ser humano. Os alunos se tornam sonolentos, reduzindo o rendimento da aprendizagem. Dizemos que precisam melhorar o foco, a atenção e assim melhorar notas. Mas, nos esquecemos que o ambiente sem ventilação, pode ser o grande causador desta desatenção”, comenta Trombini.

Para tentar resolver este problema, a Aeris Tecnologia desenvolveu um sensor de CO2, capaz de medir a concentração deste elemento no ambiente interno, e por meio de um comando aciona um ventilador que faz a renovação do ar, causando diluição deste gás, mitigando uma das causas da baixa aprendizagem.

centralrbn

VÁLVERA LANÇA TRACK-BY-TRACK DE “CYCLE OF DISASTER”!

Artigo anterior

Em SP, professores da rede pública anunciam greve em aula presencial

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Notícias