0

O Brasil é o país que mais realiza cirurgias plásticas em todo o mundo. A rinoplastia é um procedimento muito realizado pelos brasileiros, porém existe muito dúvida e mitos sobre esse tipo de cirurgia. Conversamos com o Dr. Guilherme Scheibel, otorrinolaringologista e trabalha exclusivamente com rinoplastia, que contou alguns dos principais pontos que o paciente deve ter em mente antes de realizar uma cirurgia plástica e também desvendou alguns mitos.

1.Procure um profissional competente!

“A rinoplastia é uma cirurgia que está longe de ser simples (de fato é a cirurgia plástica mais complexa que existe) e há muita tecnologia envolvida. Busque sempre um cirurgião experiente, com um bom senso estético e que te passe segurança e confiança”, indica Dr. Guilherme. Lembre-se que nas consultas pré-operatórias o médico deverá solicitar alguns exames, mas também é importante que o paciente conte todo seu histórico.

2.Os benefícios da rinoplastia são apenas estéticos?

“Não, os cirurgiões podem corrigir funções respiratórias, como desvio do septo nasal e tratamento dos cornetos nasais, geralmente em quem tem muita rinite ou sinusite alérgica” O exemplo do desvio de septo, citado pelo especialista, é bem comum no Brasil. O septo é uma estrutura feita de osso e cartilagem que separa uma narina da outra, como se fosse uma ‘parede’. Com o desvio, em vez dessa estrutura ser reta, ela é desalinhada. Contudo, nem todos os casos precisam de intervenção cirúrgica, como alerta Scheibel.

“Esse desvio só é de fato um problema quando ele interfere na respiração do paciente. Se ele sente dificuldades ao respirar, é hora de procurar um otorrino para verificar as possíveis causas e se a rinoplastia vai ser vantajosa para a pessoa”, orienta o cirurgião.

A operação ainda pode ser uma grande aliada para tratar quem sofre com roncos. Apesar de acometer milhões de brasileiros, o problema do ronco merece atenção quando ele começa a atrapalhar o sono da pessoa, com “quebras” frequentes de momentos de descanso. Como consequência, provoca cansaço, irritação, dificuldade de raciocínio e perda de reflexo, só para começar a listar os malefícios.

“O ronco acontece a partir da vibração das vias aéreas, nariz e garganta, por conta da dificuldade da passagem de ar”, ele explica. “Alterações nasais, como esse tipo de obstrução, podem ser corrigidas através da rinoplastia de forma simples.”

3.Preço X Valor

“É importante lembrar aqui que valor é diferente de preço. Eu procuro entregar sempre muito mais valor do que a cirurgia custa. Poderia, por exemplo, reduzir meu tempo cirúrgico e operar dois pacientes por dia. Opto por não fazer pois não gosto de me apressar na cirurgia e a rinoplastia é um exercício mental muito intenso. Invariavelmente o segundo paciente tem muito mais chances de ter um resultado aquém do que poderia entregar. Conheço profissionais que marcam oito cirurgias no dia e operam em 20-40 minutos. Ao meu ver, é muito difícil realizar tudo que é necessário em tão curto espaço de tempo. Por isso minha dedicação é total a uma única cirurgia por dia e levo o tempo que for necessário para chegar ao limite do que consigo fazer para melhorar aquele nariz e, consequentemente, a auto estima e felicidade daquele paciente. Dessa forma, o custo de uma cirurgia neste modelo acaba sendo maior do que de quem opera muitos pacientes, mas o valor que entrego é muito maior”, explica Dr. Guilherme.

  1. Existe um melhor momento?

A decisão de fazer a rinoplastia, ou qualquer cirurgia plástica, precisa ser pensada com cautela e deve ser tomada após muita pesquisa e informação. Para o médico Scheibel, o momento adequado para se fazer uma rinoplastia leva em consideração três fatores principais. “O melhor momento é quando a pessoa tem motivações adequadas para o procedimento, está preparada para a mudança e encontrou um profissional em que tenha segurança”, afirma.

5.O nariz fica artificial? 

“Mito e verdade dependendo da técnica utilizada. Caso sejam feitas ressecções excessivas, o nariz retrai e colapsa, não somente deixando-o artificial, mas também o estigmatizando. Em estruturações mais simples, o cirurgião sabe que normalmente a ponta se movimenta para baixo com o tempo, então a coloca em uma posição mais alta e projetada. O problema é que normalmente a ponta tem uma posição exata em que deixa o nariz bonito, e dificilmente será a posição onde ela irá se consolidar nesta técnica de estruturação mais simples. O que vemos nestes casos são narizes que acabaram não caindo muito e ficaram empinados demais e com as narinas aparentes ou então cederam demais e voltaram a ficar com a ponta caída. Já em estruturações com técnicas mais modernas, escolhemos exatamente a posição que queremos para a ponta, deixando-o com o formato ideal ao final da cirurgia e com poucas chances da ponta cair com o tempo”, explica Dr. Guilherme Scheibel.

  1. Pós-operatório

Converse com o seu médico sobre os cuidados e como será o pós-operatório. “O tempo pode variar de acordo com o tipo de cirurgia e também a resposta de cada paciente, porém um fator muito importante é seguir à risca as orientações médicas”, complementa Dr. Guilherme Scheibel.

  1. É para sempre?

Opero para que sim. A técnica que utilizo é composta de diversos enxertos e fixações firmes, para que eles não se movimentem com o tempo. Em outras técnicas, sem estruturação ou com estruturações mais fracas, realmente pode haver uma tendência maior à queda da ponta e à fragilidade da parede lateral, o que faz o resultado mudar e, em algumas vezes, necessitar de reoperação. O mesmo pode ocorrer mesmo com a melhor técnica, devido à força da cartilagem, peso da pele e outras individualidades de cada paciente, porém é muito menos frequente, contra Dr. Guilherme.

  1. Consigo ficar com o nariz igual de uma celebridade ou de outra pessoa?

“Essa é uma pergunta que eu recebo muito. Dificilmente pois face e nariz são únicos. Os narizes diferem em formato, altura de início próximo aos olhos, término próximo ao lábio, largura, espessura de pele e outra infinidade de parâmetros, além de terem que estar em harmonia com a face. Salvo os casos em que todos estes parâmetros sejam muito similares, o que é extremamente raro, os narizes invariavelmente vão ficar diferentes. Até mesmo em gêmeos os resultados podem diferir, pois existe também a variável de como as estruturas estão internamente e do que o cirurgião executou de técnica. Brinco que rinoplastia não é receita de bolo e o fato é que cada nariz é unico e deve ser operado da mesma maneira, com exclusividade”, explica Scheibel.

centralrbn

Triathlon ameniza impactos do isolamento social para crianças e adolescentes

Artigo anterior

No Rio, empregos gerados por micro empresas crescem 421% em dezembro

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Saúde