Conecte-se conosco

Estilo e Vida

Erros que (quase) todos os tutores cometem quando um filhote de cão chega em casa

Publicado

em

Erros que (quase) todos os tutores cometem quando um filhote de cão chega em casa

O filhote chegou em casa com festa. Presente desejado pelos filhos, brinca, abana o rabo e faz xixi no lugar errado…. “Seja qual for a raça do cão. Ele veio para casa para agregar, trazer harmonia, amizade. Porém, ele é bebê, acaba de ser afastado dos pais. Portanto, precisa de carinho, atenção e, especialmente, regras”, orienta a cinóloga e etóloga Adriana de Oliveira (@adriauau).

Adriana destaca que, em regra, as famílias não se preparam para receber os filhotes de cães. “Eles são tão bonitinhos, né. Mas a festa acaba já na noite da chegada. E pode se transformar em pesadelo se os tutores não fizerem a lição de casa. O primeiro ponto é a responsabilidade. Afinal, está chegando um novo membro da família. O segundo ponto é o exemplo: ele está atento e vai aprender o que você fizer, pois está numa fase super instintiva. Mas, aí, cuidado: se você errar, ele aprenderá errado”, diz a especialista.

Adriana de Oliveira preparou uma lista de erros comuns cometidos pelos tutores quando chega filhote em casa.

Não estabelecer treino de confinamento

Agora, o mundo do filhote é você. Portanto, ele precisa aprender com você sobre como fazer, quando fazer e onde fazer. Higiene, por exemplo: é preciso treinar, mostrar o local do xixi e do cocô. Se ele fizer fora do local e estiver sem supervisão, você não verá o erro. Assim, não poderá corrigir e muito menos o levar para o local correto. Importante: ele precisa de um local que absorva o xixi; isso é instintivo. Reforçando: vigie, defina regras e corrija sempre que for necessário.

Não o deixe fazer tudo o que ele quer

Esse é um vício normal dos tutores de filhotes. Não deixe os cãezinhos fazerem tudo o que desejam, pois eles vão se acostumar com isso e levar para a vida toda. Depois, fica muito mais difícil controlar. Um exemplo: ele chega perto do sofá e chora para subir. Aí você vai e o coloca no sofá por horas. Pronto, ele sabe que venceu. Você obedeceu ao comando dele, quando tem de ser o contrário.

Não exagere com o filhote no colo

Nada de maratonar a série com o filhote jogado no colo. Filhotes, pela própria fisiologia, são muito sensíveis, precisam de mais descanso, comem e bebem água mais vezes ao dia. Portanto, também fazem mais xixi e mais cocô. Ficar com o filhote muitas horas o impede de se alimentar, de beber água quando sente necessidade. O risco de desidratação e de choque hipoglicêmico nesses casos é eminente. Não leve isso às últimas consequências. Lembrando: o filhote precisa aprender a se sentir bem com sua própria companhia e ter seu próprio espaço. Ficar um pouquinho no colo, claro que pode, mas não demais.

Não estabelecer regras

Mais uma vez. É preciso começar cedo para ele saber o que pode e o que não pode fazer. Tem de estar claro para o filhote que se fizer algo errado será chamado à atenção. Lembre-se: o momento é de condicionamento tanto em relação à higiene quanto aos hábitos, educação emocional do filhote, seu nome e demais atribuições de treino, os quais o filhote e a família seguirão por toda a vida.

Não recompensar o erro

Comportamentos errados devem ser repreendidos. O filhote confia no dono. Tudo o que o tutor fizer será referência para ele. Um exemplo: medo de fogos de artifício. Se o tutor corre para o filhote e o pega no colo, ele entenderá que se trata de um problema e vai correr para o colo do dono a vida toda, pois ficará inseguro sempre que ouvir o barulho. Além disso, entenderá seu carinho como uma recompensa. O que fazer? Mostrar indiferença, ignorar os fogos. Pode ser duro no início, mas você vai me agradecer depois. Atenção: você é o líder; ele seguirá aquilo que você mostrar que é correto.

Não deixar o cão sempre solto

Como já disse antes, é preciso valorizar o hábito do confinamento. Cão livre, leve e solto erra mais. É preciso administrar a liberdade dele. Quanto mais solto ficar, mais vai errar. Aí, será mais difícil educá-lo. O ponto central é: ele tem de merecer a liberdade, pois assim vai respeitá-la. Filhotes em treinamento devem ser soltos, sob supervisão. A delicadeza desse treino é transitar o filhote do confinamento para a liberdade, permitindo que ele conviva com a família – mas sempre com supervisão.

Não mostrar o que se espera dele

Cão não entende o conceito do não, a não ser que o tutor entone a voz. É preciso mostrar que você não está feliz com o que ele fez. Se ele mexeu com um objeto, tire dele e o repreenda. Diga o NÃO! Porém, o segredo do sucesso é mostrar o erro usando o não, e na sequência mostrar ao cão o que se espera dele. Se ele estava destruindo um objeto não permitido, diga o NÃO, repreenda, espere uns segundos e entregue a ele um objeto dele. Assim que ele o pegar, o elogie. Mostre o erro, mas mostre o que espera dele.

Não estabelecer limites

A principal mensagem dessas dicas é: começar cedo para não se arrepender no futuro. Estabelecer limites é básico e prepara o filhote para a vida. Importante corrigir o erro na hora. Tenha certeza de que ele entenderá a mensagem e isso só será possível se o filhote estiver sob supervisão e a família entender que esse filhote está sendo treinado. Não permitir que o cão faça hoje coisas que não serão aceitas no fururo.

Não sair à rua antes de completar a proteção vacinal

Aqui a culpa é totalmente dos tutores. Para sair à rua, o filhote tem de estar devidamente protegido contra as principais enfermidades. A parvovirose é fatal. Se o filhote não estiver imunizado, pode ter problemas sérios. Antes de sair com o cão, fale com o veterinário.

Não mostrar quem manda

É preciso praticar a liderança corretamente. Quem manda é você, não o filhote. Defina isso desde o início e as coisas ficarão mais fáceis. Caso contrário, pode se arrepender a vida toda.

“Essas dicas são importantes para fazer a coisa certa desde o início. Ninguém adquire um filhote por obrigação ou para sofrer. Cão é harmonia, traz felicidade para a casa. Mas é preciso levar esse compromisso a sério. É claro que nem tudo precisa ser a ferro e fogo, mas não há outro caminho a não ser mostrar quem manda e impor as suas regras. Caso contrário, ele fará as próprias regras”, assinala a etóloga e cinóloga Adriana de Oliveira.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *