Aulas de boxe apresentam esporte e inclusão social em bairros de Salvador
0

Iniciativas de ‘responsabilidade social’ podem ser tomadas não só por empresas, mas também por cidadãos comuns e têm potencial de fazer grande diferença no ambiente em que elas acontecem. Um exemplo disso é o projeto social ‘Sonhar é Viver’, coordenado pelo professor de boxe Ailton Viana que traz a juventude para perto do esporte,  afastando-os da criminalidade. Ele ministra aulas gratuitas para 40 jovens e crianças, na região do Subúrbio de Salvador, no bairro do Lobato. Professor Ito, como é conhecido na comunidade, conta que tudo começou com o sonho de apresentar, aos jovens da região,  o esporte como uma oportunidade de crescimento e uma opção ao ócio negativo oferecido pelas ruas.

Sem recursos financeiros, mas contando com a parceria e o apoio dos moradores locais, Ito diz que nas aulas aplica a técnica do boxe baiano. Técnica que já fez muitos campeões nacionais e internacionais, a exemplo de Popó Freitas e de Hebert Conceição, que conquistou uma medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2021.

“Nós aqui na comunidade fazemos um trabalho voltado para a inclusão de crianças e jovens no mundo esportivo, com o desejo de ajudar na educação e desenvolvimento. Eu fui seis vezes campeão baiano, também fui campeão norte/nordeste na categoria amadora. É essa a expectativa que tenho na vida desses jovens, além de evitar que eles sejam abraçados pelo mundo da criminalidade”, explica.

Aulas de boxe apresentam esporte e inclusão social em bairros de Salvador
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

As aulas acontecem há dois anos, às terças, quintas e sábados, na praça do final linha do Alto do Cabrito, às 18h. Os treinos aprimoram velocidade, equilíbrio e força. Isso somado à garra de melhorar e se tornar um atleta profissional garante bom desempenho aos praticantes, que já colhem resultados na parte física e na vida social.

Para o aprendiz , Luisarque Mendes Filho, que faz parte do projeto, a prática esportiva foi uma oportunidade de aprender o boxe, condicionar o corpo e ainda botar a cabeça em um bom caminho. “Antes aqui na comunidade os meninos brigavam nas ruas por qualquer motivo, hoje ninguém briga mais. Luta aqui só em cima do ringue”, relata.

Conforme o Policial Militar, Ricardo Bruno Santos, um dos apoiadores do ‘Sonhar é Viver’, o objetivo de transformar vidas com bases no respeito à família e cuidado com a vida tem sido alcançado durante o processo. “Estamos fazendo a nossa parte e esperamos que mais jovens se interessem pelo esporte e venham participar”.

Base Comunitária

Em São Caetano, não muito longe do projeto de Ito, a Base Comunitária de Segurança (BCS) realiza um trabalho parecido. No local,  crianças e adolescentes assistidos praticam, de segunda a sábado, diversas modalidades de artes marciais como: karatê, aikidô, judô, além de boxe.

Para o comandante da BCS, Tenente Lessa,  o número de participantes é expressivo, mesmo em período pós pandemia. A expectativa é que alunos da base continuem se destacando. “Aqui já revelamos campeões baianos, nacionais e um atleta que conquistou o sul-americano no Paraguai. Então podemos preparar novos campeões”,  vislumbra o Tenente.

O projeto da BCS de São Caetano é uma realização da Polícia Militar que tem como objetivo impactar a vida comunitária de maneira benéfica e estreitar as relações com os moradores da região. “A nossa preocupação é captar jovens para que eles percebam que o esporte é uma porta, capaz de proporcionar novas oportunidades por caminhos mais saudáveis”, resume o professor de boxe da BCS, Angelito.

Aulas de boxe apresentam esporte e inclusão social em bairros de Salvador
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Para a moradora do bairro, Adriana Matos,  a atividade realizada na base ajudou a melhorar seu condicionamento físico e psicológico. “Há mais ou menos um ano e meio iniciei os treinos de boxe, por causa do sobrepeso, açúcar e pressão alta e, foi também uma das formas que eu encontrei para extravasar a rotina que a pandemia nos impôs”.

Atualmente, cerca de 140 participantes têm acesso às modalidades na BCS. Ainda estão disponíveis vagas para crianças, a partir de cinco anos, jovens e adultos interessados. Para participar é necessário apresentar uma cópia do documento de identidade e comprovante de residência. Em caso de menores de idade é necessário estar acompanhado dos pais ou responsáveis e apresentar comprovante de matrícula escolar e um atestado médico liberando a prática de atividade física.

*Repórter: Leiliane Fláu*

centralrbn

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar