0

A propagação da COVID-19 ao redor do mundo trouxe inúmeras mudanças no cotidiano, desde um simples aperto de mão, agora incomum e pouco recomendável, até mudanças político-econômicas complexas. Hábitos de higiene pessoal, como lavagem frequente das mãos, uso de álcool gel e evitar tocar o rosto sem a devida higienização, foram as primeiras medidas adotadas e possivelmente perdurarão até o término da crise sanitária, ou quem sabe, farão parte da rotina no futuro. Além disso, a adoção do distanciamento social e a utilização de máscaras pela população, soam como um mantra nos noticiários, não é mesmo?

Pois bem, com a adoção do distanciamento social/físico a prática de atividade física foi reduzida, afinal, ambientes ao ar livre, quadras esportivas e academias, se tornaram temporariamente indisponíveis, embora seja recomendado continuar se exercitando dentro de casa, inclusive para fortalecer o sistema imunológico e reduzir o risco de contágio.

Com o passar dos meses, as medidas são revistas e os países vão retomando progressivamente as suas atividades e, mesmo com certa flexibilização, os especialistas advertem que deveremos nos acostumar com um “novo normal”, ou seja, ainda manteremos hábitos adotados durante a pandemia mesmo que haja a retomada dos serviços.

Desse modo, por mais que os espaços próprios para a prática de exercícios físicos reabram, será necessário o uso das máscaras como medida de proteção.

Sabendo disso, começamos a nos questionar:

  • A realização de exercícios físicos aumenta a nossa demanda de oxigênio e consequentemente respiramos mais vezes, certo? Será que o uso da máscara pode prejudicar a respiração?
  • Será que faço exercício com máscara ou sem?
  • Ainda, o exercício físico aumenta o calor corporal, e consequentemente a taxa de suor. Mas se aumenta o suor, não deixará a máscara molhada e perderá a sua eficiência na proteção contra o vírus?

Pois é, estas são algumas das perguntas que nos fazemos para entender como praticar exercício físico enquanto houver a necessidade do uso das máscaras.

Ainda é precoce afirmar algo a respeito, o que se sabe é que devemos seguir as diretrizes regionais, e utilizar a máscara se essa for a determinação governamental, embora isso possa prejudicar em algum nível a performance física.

Como sabemos que as nossas rotinas não serão as mesmas, ao menos de curto a médio prazo, e como a vida deverá continuar com o “novo normal”, é essencial que achemos uma solução para nos mantermos ativos fisicamente, sem colocar a própria saúde e a dos demais em risco.

Uma possibilidade é a utilização das máscaras desenvolvidas exclusivamente para o exercício físico, que já começaram a ser distribuídas e saberemos mais sobre a sua eficiência e conforto, em breve.

A companhia de artigos esportivos Under Armour lançou recentemente a primeira máscara específica para o exercício físico, apontada pela empresa como mais adaptável ao rosto e ao encaixe nas orelhas, desenvolvida com um tecido especial que favorece a ventilação, e uma camada intermediária projetada para absorver o suor sem que transpasse para a camada mais externa, com a promessa de uma máscara mais amigável e que desempenhe o seu principal papel, o de proteger contra o vírus.

Por enquanto, devemos continuar nos exercitando em casa, sempre que possível e caso esteja liberada a prática nos demais ambientes, seguir as recomendações e determinações das autoridades locais.

Autor: Rafael Luciano de Mello é professor dos cursos de Licenciatura e de Bacharelado em Educação Física do Centro Universitário Internacional Uninter.

centralrbn

Equipe da SEINFRA intensifica vistoria nas obras de pavimentação

Artigo anterior

CIC do Imigrante beneficia 511 famílias com doação de alimentos e kits de higiene

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Saúde