Conecte-se conosco

Economia

Arthur Koblitz assumirá vaga no conselho de administração do BNDES

Publicado

em

Arthur Koblitz assumirá vaga no conselho de administração do BNDES
Após mais de seis meses de arrastado processo judicial movido pela diretoria do BNDES, finalmente o presidente da Associação dos Funcionários do BNDES, Arthur Koblitz, poderá assumir a cadeira no conselho de administração do banco para a qual foi eleito em dezembro com mais de 73% dos votos dos empregados do BNDES. Em sua decisão proferida na quinta-feira (15), o juiz Fabio Tenenblat, da 3ª Vara Federal do Rio de Janeiro, ressalta que a nomeação de Koblitz deve ser “imediata” como representante dos empregados no conselho “com a consequente anulação da convocação de novas eleições para preenchimento do cargo”.
Mais além, Tenenblat ressalta que todo o arcabouço técnico-jurídico que cerca a ação movida pela diretoria do BNDES contra a posse de Koblitz e para a realização de uma nova eleição entre os empregados “não passa de um castelo de cartas, escorado em um fragilíssimo parecer opinativo do Comitê de Elegibilidade”.
Um dos motivos centrais para a manobra jurídica da diretoria, ou seja, a acusação de que Koblitz ocupava cargo sindical e, portanto, estaria impedido de assumir o posto no conselho, também foi veementemente refutado por Tenenblat.
“Arthur não ocupava qualquer cargo em organização sindical, fato que era de pleno do conhecimento do Comitê de Elegibilidade, o que torna de todo injustificável a invocação de tal fundamento. Sem meias palavras, trata-se de motivação falsa e inidônea, notoriamente, sem correspondência na realidade dos fatos”, diz o juiz em sua decisão, complementando: “Convenhamos, a alegação de que Arthur defende ‘posições de uma parcela dos empregados, nitidamente em confronto com a visão de outros empregados’ soa pueril e sem sentido, ainda mais quando se considera que o candidato recebeu 73% dos votos válidos dos empregados do BNDES, na eleição de seu representante. O que queria o Comitê de Elegibilidade? Unanimidade no posicionamento dos empregados em todas as questões envolvendo o BNDES? Eleições com candidato único, para que obtivesse 100% dos votos?”.
Para o juiz federal, um artigo escrito por Koblitz e publicado no jornal Folha de São Paulo e utilizado para ilustrar o alegado conflito de interesses revela — afirma Tenenblat — tão somente a louvável preocupação do articulista com possíveis perdas que o BNDES, em sua opinião, terá com a realização de determinadas operações de venda de ativos. O texto — reforça o juiz — também critica a atuação da diretoria do banco e tenta demonstrar não serem corretas as premissas adotadas para justificar a suposta pressa da mesma em levar adiante as referidas operações. “Nada demais, portanto, especialmente quando se leva em consideração que o Conselho de Administração do BNDES deve ser um colegiado de ambiente democrático, no qual o debate e a pluralidade de ideias são essenciais”, concluiu Tenenblat.
A causa foi ganha pelos advogados Isabela Blanco e Breno Neno Cavalcante, ambos do escritório Cezar Britto & Advogados Associados.
Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *