Verão não precisa ser sinônimo de picadas de inseto; saiba o que causa aumento da população e se previna

O verão chegou, e, com ele, muitos dias de sol, de chuva, mas principalmente de muito calor. E, com certeza, você já se deparou com a quantidade grande de insetos que aparecem nesta época do ano. É complicado dormir com o zumbido dos mosquitos ou dar de cara com aquela barata, não é mesmo? Entenda agora o porquê desse aumento na população de insetos durante este período.

A ciência pode explicar o que provoca tal efeito. Os insetos não possuem um sistema para regular a temperatura do corpo, e, por isso, alguns deles tendem a procurar lugares mais frescos para manter seu organismo funcionando a uma temperatura adequada. Esse é um dos fatores que os levam a procurar abrigo dentro de casas, porque são mais frescas, geralmente. 

Outra questão que leva ao aumento do número de insetos também tem a ver com a temperatura. É que o calor faz com que o metabolismo deles se acelere, favorecendo a reprodução, já que atingem a maturidade sexual mais cedo. O ciclo reprodutivo da barata, que dura de três meses a um ano, pode cair pela metade do tempo, por conta do calor, por exemplo. Já o contrário também é verdadeiro, e por isso não vemos tantos insetos no inverno, ou seja, no frio, o metabolismo deles desacelera. A umidade por conta das chuvas também é um fator importante, pois a postura de ovos de alguns insetos, como do pernilongo, encontra o ambiente ideal nessas condições, devido a focos de água parada.

O avanço das construções, consequência da urbanização, faz com que haja menos espaço para nos separar desses animais, tornando esse convívio mais intenso. Hoje, os insetos são elevados ao status de “pragas urbanas”. Ambientes limpos, sem água ou lixo acumulado são medidas que podem ser tomadas para evitar que eles sejam atraídos para dentro da residência – caso de baratas e formigas. Alguns produtos inseticidas podem ser aplicados em locais estratégicos, como ralos e janelas, para potencializar a proteção, desde que usados com o devido cuidado.

Além do incômodo trazido pelo zunido, há ainda o perigo de doenças, das quais muitos insetos são vetores. O aedes aegypti, distinguível do pernilongo comum pela coloração e pelos hábitos – põe ovos em água limpa e circula no horário da manhã –, é transmissor de dengue, zika e chikungunya. Seu ciclo de vida é rápido, isto é, do ovo à idade adulta, seu desenvolvimento leva somente dez dias, podendo resistir até 500 dias antes de encontrar a condição ideal para eclodir. Não é raro termos surtos de doenças causadas por esse mosquitinho no Brasil!

No entanto, é possível tomar atitudes que nos previnem de tantos problemas. Além das citadas anteriormente, ter bastante atenção para evitar acúmulo de água em recipientes, vasos e demais utensílios, tampar caixas d’água e, sempre que possível, colocar tela mosquiteiro nas janelas. Alguns insetos são imunes até mesmo a inseticidas! Portanto, evitar que entrem na sua casa é a melhor solução.

Amanda Mathias
Atua como assessora de imprensa, redatora e Link Builder na Conversion. Escreve sobre cidades, cotidiano, tecnologia, e-commerce e cultura.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.