0
A União Brasileira dos Estudantes Secundaristas vem a público declarar o apoio a a nota técnica elaborada por mais de 300 juristas do Ministério Público sobre a inconstitucionalidade da regulamentação do novo Fundeb, no qual ocorreria repasse de recursos para instituições de ensino privadas.
A entidade alerta desde as primeiras discussões sobre o Fundeb na Câmara que o repasse de 10% para instituições privadas abriria precedente para precarização do ensino público no País. Movimentos da educação brasileira afirmam que essa mudança pode tirar até R$ 12,8 bilhões por ano da rede pública. E é importante lembrar que a rede pública necessita desse aporte financeiro, principalmente nos municípios mais pobres que não conseguem nem oferecer uma estrutura e alimentação recomendável para suas escolas.
Nós estudantes, reforçamos que o repasse, apresentado pelos partidos PSL, PTB e PSD, tira o papel fundamental do Fundeb que tem como objetivo diminuir as desigualdades educacionais. E como a UBES reforçou em sua nota após a aprovação na Câmara, na última quinta-feira (10/12), o Sistema S já recebe recursos de entidades patronais, comerciais e de doação, por isso esta é uma decisão arbitrária e que causa um “apartheid educacional” no país, no qual penaliza os mais pobres, explorados e excluídos da sociedade.
Por isso, novamente, nós estudantes pedimos aos senadores que votem contra essa medida. Aprovar o Fundeb com este repasse de 10% perpetua uma improbabilidade administrativa. Reforçamos que em 21 de julho deste ano, o Destaque nº 4, do Partido Novo, propunha excluir da PEC 15/2015 a previsão de destinação obrigatória de, no mínimo, 70% (setenta por cento) do Fundeb para o pagamento dos profissionais da educação básica em efetivo exercício. Esse Destaque nº 4 foi votado nominalmente no primeiro turno de deliberação da PEC do Fundeb e foi derrotado por 399, contra somente 19 votos que apoiavam a mudança do texto, e 2 abstenções.
Portanto, ao pretender incluir – no projeto de lei de regulamentação – dentro da subvinculação do Fundeb de 70% para remuneração dos profissionais da educação uma brecha de destinação para trabalhadores alheios à definição dada pela EC 108/2020 (entre eles, terceirizados e aqueles vinculados às instituições comunitárias, confessionais ou filantrópicas sem fins lucrativo conveniadas), o texto aprovado burla flagrantemente tanto o texto da Emenda do Fundeb como a higidez do processo constitucional que a produziu, como resultado de anos de debate legislativo.
Vale lembrar que há contornos normativos absolutamente claros e precisos sobre o assunto, como se extrai da leitura do Preâmbulo da Constituição de 1988:
‘’Nós, representantes do povo brasileiro, reunidos em Assembléia Nacional Constituinte para instituir um Estado Democrático, destinado a assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia social e comprometida, na ordem interna e internacional, com a solução pacífica das controvérsias, promulgamos, sob a proteção de Deus, a seguinte CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL.”
União Brasileira dos Estudantes Secundaristas
centralrbn

Estado antecipa ICMS aos 417 municípios baianos

Artigo anterior

Câmara aprova proibição de bloqueio de recursos de fundo científico

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Educação