Ricardo Evangelista vibra com estreia no MMA: “Não imaginava que seria tão rápido”

Somando inúmeras medalhas nos tatames, Ricardo Evangelista agora busca cravar o seu nome como um grande vencedor, também nas artes marciais mistas. Seguindo os passos de outras lendas do Jiu-Jitsu, o carioca estreou na última semana no cage do Fury Fight Championship, quando enfrentou o norte-americano John Clay, na edição de número 45 do evento.

Oriundo da arte suave, Ricardo afiou as mãos no boxe para o combate, e conseguiu surpreender o rival ainda no início do duelo. Se preparando com grandes nomes do MMA, dentre eles, Derrick Lewis, um dos melhores lutadores do UFC na divisão peso-pesado, Ricardo precisou apenas 15 segundos para liquidar o combate:

— Não imaginava que seria tão rápido e muito menos por nocaute. Fintei um jab e percebi que ele fechou os olhos, então eu não perdi a oportunidade de ir pra cima. Ele me surpreendeu ao me atacar com um double leg que eu defendi e quando fiquei por cima pensei “daqui eu não saio”. Em seguida o árbitro interrompeu a luta — analisou Ricardo.

Ricardo Evangelista vibra com estreia no MMA: “Não imaginava que seria tão rápido”

Ricardo Evangelista já ganhou o mundo como faixa-preta de Jiu-Jitsu, revelado na GF Team pelos mestres Julio Cesar, Marcus Bello, e Alexandre Baraúna, o lutador de  35 anos venceu inúmeros torneios, como o Grand Slam de Abu Dhabi (7x), o Abu Dhabi Pro (2x) e mais recentemente o Pan Jiu-Jitsu em 2020.

O atleta carioca possui na arte suave quase 20 anos de carreira, e mesmo realizando essa transição para o MMA, pretende continuar competindo no Jiu-Jitsu, tanto na categoria adulto, quanto master. Questionado sobre a sua estreia, o atleta acredita que a vasta experiência que acumulou ao longo dos anos nos tatames foi fundamental para o resultado do combate:

— Realmente fiquei bem tranquilo, acredito que a minha experiência em competições de Jiu-Jitsu tenha me ajudado. Foi tão rápido que eu não sei muito o que dizer, mas fiquei muito feliz com o resultado — finalizou o faixa-preta.

Trilhando a sua jornada nas artes marciais mistas, Ricardo deve votar a lutar no Fury Fighting em meados de junho. O atleta assinou um contrato de 3 combates com o evento norte-americano.