Orla deserta na virada do ano em Lauro de Freitas mostra que população ficou em casa

A orla de Lauro de Freitas, que no ano passado recebeu mais de 40 mil pessoas para a festa da virada, este ano ficou quase deserta. Essa redução é atribuída à operação especial de fiscalização do réveillon, que teve início na quarta-feira (30) com objetivo de garantir o cumprimento das medidas de prevenção a COVID-19, e a ampla divulgação na imprensa das restrições impostas por decretos municipais e estadual

A operação que instalou barreiras nas principais vias de acesso a Buraquinho, Vilas do Atlântico e Ipitanga, conta com agentes de trânsito e uma equipe de fiscais distribuídas nas três praias do município, além do apoio da Guarda Municipal e Polícia Militar. Nos dois primeiros dias da operação, cada uma das barracas de praias foi individualmente orientada sobre as medidas do decreto para o réveillon.

Na praia de Buraquinho foram três notificações e uma remoção por ocupação irregular. Praia de Vilas do Atlântico e Ipitanga também registraram notificações. Além das barracas, os banhistas foram orientados e as casas da orla vistoriadas para certificação de que não havia nenhum indicativo de festa e/ou aglomeração.

A Polícia Militar também destacou a baixa ocorrência. “Graças a operação realizada em conjunto não tivemos nenhum tipo de problema. As barreiras funcionaram perfeitamente. A população se conscientizou da necessidade de ficar em casa”, declarou o titular da 52ª CIPM – Companhia Independente da Polícia Militar, major Éverton Monteiro.

No CIMU – Centro Integrado de Mobilidade Urbana foram registradas 12 denúncias. A fiscalização abordou e encerrou três paredões no Centro e em Vida Nova, dois estabelecimentos com aglomeração foram fiscalizados no Centro e duas residências com poluição sonora foram abordadas e tiveram as atividades encerradas em Vilas do Atlântico. Quase 200 veículos passaram pelas barreiras que evitaram o acesso de 30 ambulantes e três ônibus de turismo, filtrando acesso e liberando apenas moradores.

Secretário de Trânsito, Transporte e Ordem Pública e responsável pela operação reveillon, Smith Neto comemorou o sucesso da operação. “Foi muito positiva. Conseguimos coibir os eventos geradores de aglomeração. Isso foi marcante em Buraquinho. Frequência de público zero, deserta. Assim como em Vilas e Ipitanga. Numa orla que, no ano passada, recebeu mais de 40 mil pessoas, este ano não chegou a 800”.

Morador de Salvador, Gustavo Andrade escolheu a praia de Vilas do Atlântico para passar a virada do ano e aproveitou a presença dos fiscais para sanar suas dúvidas sobre o que é permitido e o que é proibido. “Essa fiscalização é essencial e é bom saber se estamos fazendo tudo certo pra termos uma passagem de ano tranqüila e evitar problemas”.

A operação especial de fiscalização do réveillon acontece até as 23h59 do próximo domingo (3). Caso haja necessidade de denúncia por descumprimento do decreto – como realização de festas, aglomerações ou poluição sonora – o munícipe pode acionar o CIMU através do telefones (71) 3369-3710 ou 156 ou pelo WhatsApp 98153-4034. O CIMU está de plantão 24h.

Jornalista Mariana Cedrim

Fotos Danilo Magalhães