0

Depois de oferecer uma nova abordagem para “Sutil”, de Itamar Assumpção, o cantor, compositor e multi instrumentista carioca Mariano Marovatto se volta para Sérgio Sampaio e “Filme de Terror”, uma canção com contornos surreais, mas também uma forte conexão com a realidade brasileira. Elas integram uma série de releituras que o artista vai lançar ao longo do primeiro semestre.

Ouça “Filme de Terror”: https://smarturl.it/FilmeDeTerror

De volta ao Brasil depois de uma temporada de três anos em Portugal – onde lançou o álbum folclórico experimental “Selvagem” (2016), seu terceiro trabalho solo -, Mariano Marovatto faz uma reconexão com as suas raízes brasileiras. Além dos dois singles já revelados, ele irá lançar uma terceira releitura que antecipa um EP todo dedicado a reimaginar canções selecionadas da nossa música sob um novo prisma. O álbum trará, além dos três singles, duas inéditas.

Assim como o lançamento anterior, “Filme de Terror” foi toda executada por Marovatto – do vocal a todos os instrumentos, inclusive o arranjo. A música ganha força nas cordas, que remetem imediatamente às trilhas sonoras do gênero no cinema.

“‘Filme de Terror’ é meu primeiro arranjo para cordas, muito bem executado pelo ensemble que existe dentro do meu computador. Depois passamos a mixagem final para uma fita cassete, o que contribuiu para uma atmosfera mais fantasmagórica na masterização final. Quis propositadamente pastichizar o universo musical de filmes de suspense e terror antigos com a letra aterrorizante, surreal e irônica do Sérgio Sampaio. Inconscientemente acabei fazendo uma homenagem ao grande Bernard Herrmann”, reflete Marovatto, citando o icônico compositor das trilhas de “Psicose”, “Cabo do Medo”, “Cidadão Kane” e muitos outros.

Mas a relação de Mariano Marovatto com a canção não é de agora. Em 2017, ele já cantava “Filme de Terror” em shows de seu último disco, em Portugal, e dizia para o público que era para explicar a situação política do Brasil naquele momento – uma ligação entre o verso “dentes, pêlos e vampiros” com o ex-presidente Michel Temer.

“Para nosso desespero, 4 anos depois, a música não perdeu sua atualidade, muito pelo contrário, parece que ganhou ainda mais poder visionário. ‘Dura um ano inteiro o filme de terror’ pode ser aplicado ao primeiro ano do caos pandêmico brasileiro. ‘Na rua um sacrifício’ ou ‘no pescoço um crucifixo’, ‘abra os olhos com os vizinhos’, tudo pode ser incrivelmente lido pela sua literalidade”, reflete. O lançamento no período de Carnaval foi escolhido, inclusive, pela ligação com o verso “no meio da folia, um filme de terror”.

Mariano Marovatto é um artista múltiplo. Publicou livros como “Estirâncio” (7Letras, 2019),  e “Vinte e cinco poemas”, em parceria com Chico Alvim (Luna Parque, 2015), além dos discos “Aquele amor nem me fale” (Bolacha, 2010), “Praia” (Maravilha 8, 2013) e “Selvagem” (Embolacha, 2016).

Recentemente organizou “Doutor Caneta”, reunião de contos do poeta e compositor Cacaso (Companhia das Letras, 2020), e a versão em português de “Silêncio”, o grande livro do compositor norte-americano John Cage (Cobogó, 2020). Doutor em literatura brasileira pela PUC-Rio, Mariano foi também apresentador e roteirista do programa musical Segue o Som na TV Brasil entre 2009 e 2016.

Durante a quarentena, o artista começou a trabalhar em uma série de canções autorais e versões para expandir suas fronteiras. Marovatto pretende lançar sua série de singles não-autorais ao longo do primeiro semestre do ano, reservando a outra metade de 2021 para o lançamento de seu próximo disco, ainda sem título.

A mixagem e a masterização do single foram feitas na Patagônia pelo produtor argentino Martin Scian, responsável pelo som de álbuns como “Blam!Blam!” (2015), de Jonas Sá, e “Little Electric Chicken Heart” (2019), de Ana Frango Elétrico –  ambos indicados ao Grammy Latino. A capa é de autoria do artista gráfico e cineasta paulista Pedro Colombo. “Filme de Terror” está disponível em todas as plataformas de música digital.

Ouça “Filme de Terror”: https://smarturl.it/FilmeDeTerror

Crédito: Pollyana Quintella

Ficha técnica

composição: Sérgio Sampaio

voz, arranjo e execução: Mariano Marovatto

mixagem e masterização: Martin Scian

capa: Pedro Colombo

centralrbn

Mês da conscientização sobre o Lúpus

Artigo anterior

Alef Totem lança videoclipe para o funk indie de quebrada “Pipa no Céu”

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Lançamento