Conecte-se conosco

Economia

Eletrônicos importados: veja como simular carga tributária no Brasil

Publicado

em

Quem compra produtos importados no Brasil já está acostumado com os altos valores cobrados por esses itens. No entanto, quando se faz a conversão do preço do produto em dólar para o real, a revolta é inevitável.

Parte da culpa da diferença de valores é o excesso de imposto ao qual o brasileiro é submetido a cada compra. O Brasil possui, atualmente, uma das maiores cargas tributárias do mundo, chegando a formar perto de 40% do Produto Interno Bruto (PIB).

De acordo com levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), são necessários 151 dias de trabalho para pagar impostos, taxas e contribuições para os governos municipal, estadual e federal. Tantas taxas tornam a importação uma prática onerosa para o consumidor brasileiro. Não é à toa que muitos esperam viagens ao exterior para adquirirem determinados itens a preços bem mais atrativos.

Dinâmica da tributação

A tributação de qualquer produto que entra e sai do Brasil é feita por meio da Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM), um código composto por oito dígitos que padroniza o registro de mercadorias que circulam entre os países membros do grupo: Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai.

A NCM é essencial para a determinação dos tributos envolvidos nas operações de comércio internacional. É graças a essa tributação que os direitos de defesa comercial são garantidos pelo Estado, que faz a proteção da indústria nacional da influência de importações ilegais que podem prejudicar a economia.

Esse código tem diversas funções dentro do processo de importação e exportação, como a identificação de mercadorias para regimes aduaneiros especiais, valoração aduaneira e outros. Sua principal função está atrelada à cobrança do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e do Importo de Importação (II), tributos responsáveis por encarecer os produtos importados no território nacional.

Para o empresário, um mínimo erro no preenchimento dessa documentação pode levar ao pagamento indevido de impostos e até mesmo à retenção da mercadoria na alfândega.

Para o consumidor, saber o código NCM do produto que deseja comprar permite que ele seja utilizado no Simulador do Tratamento Tributário e Administrativo das Importações, ferramenta disponibilizada pela Receita Federal para o cálculo dos tributos pagos em cada relação comercial.

Tributação na prática

Um dos produtos mais esperados de 2020 para os amantes de games foi o X Box Series X, considerado o console mais poderoso de sua geração. O preço divulgado no final do ano passado foi R$ 4.599. Nos EUA, o valor original desse produto é de US$ 499 ou, aproximadamente, R$ 2.640, considerando o dólar cotado a R$ 5,29. A título de comparação, em outros países da América Latina o valor do console não passa de R$ 4 mil.

Essa diferença entre o preço do produto comercializado no Brasil e o praticado em países como Argentina e Chile, por exemplo, se explica pela carga tributária brasileira. Colocando o valor aduaneiro e a NCM do produto no Simulador do Tratamento Tributário e Administrativo das Importações da Receita Federal o impacto dos impostos fica ainda mais claro. II, IPI, PIS e Cofins somam pouco mais de R$ 3 mil. Isso, sem falar do ICMS, cujo valor é calculado individualmente por cada estado da federação.

Recentemente o governo federal anunciou a queda de 40% para 30% na alíquota do IPI para a venda de consoles, no entanto, essa redução não foi sentida no bolso do consumidor. Isso acontece porque nem as fabricantes nem as varejistas são obrigadas a repassarem a queda para os consumidores finais. As empresas optam por alterar minimamente o preço, garantindo maior lucro.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda PODCAST RBN

TENDÊNCIA