0

A escolha dos pratos no período de alimentação, explica o médico Jorge Valente, interfere nos benefícios trazidos pela estratégia 

No final do ano, começo do verão, é muito comum nos esbarramos com alguém que mudou os hábitos alimentares ou descobriu uma nova dietaQuem acessa as redes sociais provavelmente já ouviu falar da prática do “jejum intermitente”, estratégia de emagrecimento e estilo de vida que tem se tornado cada vez mais popular.

Esse método, que intercala períodos de jejum (que podem ser de 12h a 24h, que são os mais frequentes, existindo, porém, jejuns de longa duração que ocorrem em menor frequência em indicações específicas, que podem ser de 36h, 48h ou até semanas) e períodos de alimentação, é baseado na dieta dos nossos ancestrais das cavernas e, se feito com responsabilidade, promete queimar nossos estoques de gordura e ainda tratar algumas doenças, como a diabetes.

Só que é preciso pensar, principalmente no final do ano, em que as festas são regadas a banquetes e sobremesas, no que comer após o término do período de jejum. Pode comer de tudo? Isso interfere nos benefícios da prática de jejum?

O médico integrativo Jorge Valente, especialista em emagrecimento, longevidade e reposição hormonal, explica que um dos benefícios da prática é regular o receptor de insulina – e, para mantê-lo assim, é preciso ter equilíbrio nos períodos de alimentação. “O objetivo do período de jejum é fazer com que o corpo funcione normalmente sem gastar energia com a digestão. No momento de quebrar o jejum, tem que consumir comida de verdade, evitar alimentos ultra processados, cheios de condimentos, melhoradores, produtos artificiais. É importante evitar também carboidratos de alto índice glicêmico e optar por uma alimentação mais leve. Não adianta quebrar o jejum comendo pizza e refrigerante”, explica.

Caso tenha tido uma alimentação saudável e equilibrada ao longo do ano, como esclarece Valentenão vão ser as festas de dezembro que vão prejudicar o andamento do jejum intermitente. “Tudo na vida depende de uma coisa chamada equilíbrio. Eu costumo dizer que o importante não é o que você faz entre o Natal e o ano novo, mas o que você faz entre o ano novo e o Natal. Se a pessoa tem uma dieta equilibrada, comer um pedaço de panetone não tem problema algum. Mas também não pode se exceder nas confraternizações, tem que manter o equilíbrio”, conclui o médico.

centralrbn

Série A: com um a menos, Grêmio busca empate com Sport no Recife

Artigo anterior

Damiris brilha e Vera Cruz leva o bi do Paulista Feminino de Basq

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Saúde