Como fazer um mochilão sem gastar muito?
1

O louco é o aventureiro do tarot; ele tem uma pequena bagagem nas mãos e se lança em direção ao desconhecido com os olhos de coragem. A figura libertadora se assemelha às viagens de mochilão, onde se leva só o necessário, com leveza para descobrir novos destinos, conhecer pessoas e se entregar a experiências inesperadas. O baixo custo da viagem é outro atrativo, o que permite conhecer mais lugares sem pesar no bolso. Sentiu desejo de colocar a mochila nas costas? Antes de dar adeus à monotonia, confira dicas que vão ajudar a economizar mais ainda.

1 – Crie um roteiro

Mesmo que esteja no esquema “deixa a vida me levar”, o planejamento é necessário se for viajar com custo reduzido. A ideia é ter flexibilidade, se abrir às oportunidades, mas com organização e estimativa de valores. Por garantia, leve pelo menos 20% a mais do que o orçado, porque imprevistos estão no script da vida e podem acontecer. Pesquise sobre altas e baixas temporadas, hospedagens, costumes, meios de transporte e passeios gratuitos. Um roteiro bem feito traz confiança para o improviso. Essas informações podem ser obtidas em sites como Mochileiros.com.

2 – Organize a documentação

Para viagens internacionais, veja com antecedência os documentos que precisa levar. O passaporte que está a seis meses da data do vencimento precisa ser renovado. Alguns países exigem visto de entrada. É importante conferir as vacinas necessárias e se o certificado de vacinação está em dia. Com a pandemia, as regras ficaram mais rígidas, e cada país tem um protocolo específico. Contratar o seguro-viagem não é um luxo, mas, sim, uma precaução, pois garante atendimento médico e hospitalar, evitando passar perrengues com despesas não planejadas.

3 – Viaje na baixa temporada

Viajar na baixa temporada é uma jogada de mestre. Tudo fica mais em conta: alimentação, hospedagem e passagem, além de os espaços estarem mais vazios, sem burburinhos de vozes e aglomeração de pessoas. Quem gosta de visitar o Palácio de Versalhes apinhado de gente, parecendo a marcha da queda da Bastilha? 

4 – Economize na hospedagem

A hospedagem é um custo que compromete o orçamento na viagem. As alternativas mais econômicas passam longe dos hotéis. O albergue, ou hostel, é uma opção que permite mais socialização; no geral, os ambientes são agradáveis, e o custo é ainda mais reduzido se você não se importar com quartos compartilhados. O Airbnb é um sistema online, no qual a pessoa pode locar casas por períodos e valores bastante atrativos. O couchsurfing é uma forma de turismo colaborativo, que possibilita se hospedar de graça na casa dos anfitriões cadastrados. 

5 – Evite comer em restaurantes turísticos

Sabe a culinária para gringo ver e desgustar? É o que os restaurantes turísticos oferecem, com preços mais salgados. Se tiver cozinha onde se hospedou, faça a própria comida – é trabalhoso, mas compensa –, ou coma em lugares mais simples, menos badalados. 

6 – Pesquise meios de transporte

Ônibus, carro ou avião: qual a melhor opção? Depende do seu orçamento, destino e intenção. Se for de avião, compre a passagem com bastante antecedência, para evitar preços estratosféricos. O ônibus é um meio seguro para quem está viajando sem companhia, com melhor custo. Para quem quer viajar de carona, as despesas são compartilhadas. A experiência é mais tranquila por meio de sites específicos como BlaBlaCar. É uma modalidade que tem crescido, porque muitas pessoas têm carro, devido a formas mais acessíveis de compra, como os leilões de carro, que podem oferecer descontos de até 70%.

Conferiu as dicas? Prepare-se para tirar as ideias da cabeça e colocar a mochila em ação. 

Amanda Mathias
Atua como assessora de imprensa, redatora e Link Builder na Conversion. Escreve sobre cidades, cotidiano, tecnologia, e-commerce e cultura.

1 Comentário

  1. Meu sonho é ser uma mochileira, vou seguir estes seus conselhos e ver no que vai dar. Muito obrigada!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você pode gostar