0

Depois de um longo período de distanciamento, as escolas retomam às aulas, de maneira parcial e de forma gradativa, com um modelo híbrido de ensino, preocupadas em manter a qualidade das aulas e, também, a segurança dos alunos. Para garantir essas entregas, a Seal Telecom, multinacional provedora de integração de sistemas, desenhou soluções direcionadas para cada necessidade e destaca dois exemplos de cases, desenvolvidos nos colégios Ranieri e Avenues, ambos na capital paulista.

Colégio Ranieri – Segurança no Acesso

O Colégio Ranieri, com mais de 25 anos de atuação, sempre esteve comprometido em garantir o bem-estar e atender às necessidades dos educandos, colaboradores e suas famílias. A instituição deu um importante passo para garantir a segurança de seus alunos no retorno às aulas, e procurou a Seal Telecom para implantar uma solução de controle de acesso, sem toque, e com medição de temperatura corporal.

Foram instaladas, ao todo, seis catracas, contendo terminais faciais térmicos com diversas funcionalidades, que identifica se o aluno, pai ou funcionário está usando máscara e se a temperatura corporal está acima do que é considerado normal. Além de promover o cuidado com a saúde, os terminais também auxiliam na segurança, pois verificam se a pessoa está cadastrada no banco de dados do colégio para, então, liberar o acesso. Se um dos critérios citados anteriormente não for atendido, o acesso não é permitido. Como o colégio atua desde o berçário até o ensino médio, os terminais térmicos possuem braços flexíveis, que facilitam a leitura facial.

“O colégio buscava, há algum tempo, uma solução ideal para o controle de acesso e proteção. Com a chegada da pandemia, dentre as várias ações para o retorno, tomamos a importante decisão de acrescentar ao projeto o controle de acesso com biometria facial, controle de temperatura e máscara. A tecnologia atende a uma preocupação antiga de muitos colégios: a segurança, tanto no bem-estar de nossos alunos, quanto no controle de acesso ao prédio” conta Thiago Merlotto, Administrador de Redes da instituição.

“Diante do cenário e da preocupação da população com os processos de retomada, atuamos para que os estabelecimentos ofereçam segurança de forma assertiva, para evitar, principalmente, a proliferação do vírus da Covid-19. Para o projeto do Colégio Ranieri, utilizamos um sistema de ponta, numa engenharia que envolveu soluções dos principais fabricantes, tendo como propósito auxiliar a instituição na manutenção e comprometimento com sua proposta pedagógica, promovendo o retorno às aulas com cautela” conta Fátima Silano, Diretora de Building Information da Seal Telecom.

Avenues: The World School – Salas Tecnológicas 

A Avenues: The World School, escola referência mundial em educação, chegou no Brasil em 2018 e, desde então, vem apostando na tecnologia para manter o aluno como protagonista em todas as atividades. Antes da pandemia do novo coronavírus, a escola já vinha num processo de modernização de sua estrutura, a fim de entregar um ensino mais dinâmico e a Seal Telecom, em parceria com a Shure, empresa líder em fabricação de equipamentos de áudio, integrou diversos sistemas de videoconferência e soluções de áudio e vídeo de última geração no campus de São Paulo, que deixou a instituição preparada para os desafios do ensino híbrido.

Fundada em 2012, nos Estados Unidos, a Avenues tem câmpus em Nova Iorque (EUA), Shenzhen (China) e São Paulo, e conta, também, com um câmpus online, atendendo a alunos entre o 6ª e o 12ª grade (nomenclatura utilizada em escolas internacionais). Na capital paulista, a escola tem cerca de 1,2 mil alunos, nos níveis fundamental e médio, de famílias brasileiras, além de originárias dos EUA, Japão, Coreia do Sul, Reino Unido, Chile, Holanda, Suíça, entre outros países.

O inglês é o idioma comum, dentro e fora da sala de aula e, desde sempre, incentiva o contato dos alunos entre os câmpus ao redor do mundo. A variedade de culturas e backgrounds fez com que a instituição se preocupasse ainda mais com a inteligibilidade na comunicação e, por isso, antes mesmo da pandemia, contratou a empresa para o desenvolvimento de um sistema que garantisse comunicação sem falhas e ruídos entre os professores e os alunos. Agora, com a retomada das aulas, essas tecnologias estão sendo utilizadas para a implantação de um ensino híbrido.

“Acreditamos na tecnologia como proposta para potencializar o envolvimento direto dos alunos entre si e nos projetos. Por conta da nossa parceria com Seal telecom e Shure, conseguimos nos preparar para as mudanças antes mesmo delas serem uma necessidade”, explica Lia Muschellack, diretora de tecnologia da instituição.

A sala de reunião principal, de aproximadamente 300m², conta com um sistema de microfones integrados a videoconferência, que facilita as reuniões com professores das outras localidades, além disso na sala foi instalada uma câmera PTZ que aponta, diretamente, para a pessoa que está falando. Na sala multiuso de 370m², espaço para atividades interativas entre os alunos, também foi instalado o mesmo sistema.

Já o auditório, tem sistema de áudio comparável aos de teatros profissionais. Nesse espaço, ocorrem atividades em que os alunos aprendem a se apresentar em público e a lidar com tecnologias de audiovisual, preparando-os para um contexto onde videoconferências e interações a distância farão, cada vez mais, parte do cotidiano. “Nos projetos acadêmicos, cada aluno assume um papel e todos trabalham de forma colaborativa, para chegar ao resultado esperado. Em alguns casos, por exemplo, um grupo de alunos assume a gestão dos equipamentos para as apresentações audiovisuais”, conta Lia.

“A tecnologia ajuda a aproximar os alunos e a engajá-los. As aulas tornam-se mais interativas e, consequentemente, o desenvolvimento das habilidades é mais significativo. A Seal Telecom é especializada na construção de ambientes interativos e automatizados. Usamos grande parte desse know-how para ajudar a Avenues a atingir seus objetivos”, comenta Fátima Silano, Diretora de Building Information da Seal Telecom.

Para completar a estrutura tecnológica, também foram inseridos sistemas de videoconferência com microfones de mesa em 11 salas de reunião. No total, foram instalados 80 projetores em salas de aula, e 12 delas receberam o sistema de videoconferência. Além disso, 36 monitores foram espalhados pelo prédio para divulgação de comunicados da Avenues. Um videowall foi instalado na recepção e, na área do refeitório, um sistema de automação controla soluções de áudio e vídeo.

Especialista em desenvolvimento de mercado da Shure, Fernanda Gereto, que tem acompanhado as instituições de ensino, ressalta que “o formato híbrido ou misto já tem sido discutido há alguns anos, porém sempre com muita resistência em sua implementação. Com a pandemia, tivemos que quebrar muitas barreiras como investimentos em softwares e hardwares, infraestrutura, gerenciamento, resistência de alunos e professores, preparação de dinâmicas e conteúdo e, principalmente, a aceitação do novo normal. Hoje já somos capazes de visualizar o quão promissor pode ser esse formato quando investimos em ferramentas adequadas e a Shure sempre se empenhou para garantir uma alta performance na captação do áudio” diz Fernanda.

“Esse formato permite acessibilidade em muitos aspectos e, também, aos alunos, a troca de experiências com grupos de outros países, de forma mais colaborativa, como é o caso da própria Avenues.” finaliza a especialista.

centralrbn

Seleção feminina se apresenta nos EUA para torneio She Believes

Artigo anterior

TJBA suspende liminares que determinavam retorno das aulas no estado da Bahia

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Educação