Um ataque aéreo na província de Idlib, noroeste da Síria, deixou 13 pessoas feridas e duas mortas. Dentre elas, onze crianças menores de 14 anos e duas mulheres precisaram de atendimento médico em um hospital apoiado por Médicos Sem Fronteiras (MSF) na região. O bombardeio aconteceu no último sábado.

Uma paciente de quatro anos estava em estado crítico. “Havia ferimentos de estilhaços por todo o corpo dela”, disse o Dr. Jihad Ismail*, gerente de atividades médicas de MSF. “Nossa equipe médica conseguiu estabilizá-la, mas foi muito chocante ver seus ferimentos. As outras pessoas atendidas tiveram ferimentos leves a moderados. ”

“Esta não é a primeira vez que lidamos com um grande fluxo de vítimas em um dos hospitais apoiados pela organização no noroeste da Síria”, explica ele. “Mas é incomum ver tantas crianças. Neste caso, alguns tinham apenas dois anos. É angustiante ver crianças que não vivenciaram nada além de conflitos em suas curtas vidas, tornando-se não apenas testemunhas, mas também vítimas diretas de tal violência. ”

A necessidade de responder a emergências médicas, como bombardeios com grande número de vítimas ou surtos de doenças, continua extremamente alta no noroeste da Síria, devido à volatilidade da situação local. Apesar da assinatura de um cessar-fogo em março de 2020, ataques aéreos continuam a acontecer regularmente. Por isso, as equipes de MSF permanecem prontas para responder às necessidades médicas e continuamos monitorando o que está acontecendo. Quando necessário, podemos aumentar nossa capacidade de reação durante e após emergências para atender a comunidade.

A população e o sistema de saúde já foram severamente afetados por mais de dez anos de conflito, e esse fluxo em massa de vítimas apenas ilustra como a necessidade de cuidados que salvam vidas continua muito alta.

* nome foi alterado para proteger a identidade do profissional de saúde.

Sobre as atividades de MSF

Durante a última década de conflito, a organização se readaptou consistentemente ao contexto de mudança dentro e ao redor da Síria para continuar respondendo às crescentes necessidades humanitárias e médicas. Isso vai desde o atendimento de traumas e de feridos até serviços de saúde materno-infantil, bem como campanhas de vacinação destinadas a prevenir a propagação de doenças letais.

Atualmente, MSF está apoiando oito hospitais no noroeste da Síria, incluindo uma unidade de queimados, além de 12 centros de atenção primária à saúde e cinco ambulâncias para encaminhamentos. MSF também apoia 14 clínicas móveis que atendem a mais de 80 campos de deslocados internos. A organização ainda está realizando atividades de água, saneamento e higiene em cerca de 90 campos de deslocados internos na região noroeste.

Mais recentemente, para responder à pandemia, MSF abriu centros de tratamento e isolamento para pacientes com o novo coronavírus e uma unidade de tratamento para doenças respiratórias na mesma região. Em campos de deslocados, a organização mantém clínicas móveis para realizar testes COVID-19 e distribuir kits de higiene para deslocados. Durante a pandemia, MSF apoiou hospitais e centros de saúde em duas grandes cidades durante o pico.

Para conter a hesitação da população à vacinação, MSF também está desenvolvendo iniciativas de promoção de saúde e de conscientização nas comunidades e em canais digitais. No nordeste da Síria, MSF oferece suporte para a campanha de vacinação em 12 locais. Ainda administramos uma clínica de saúde primária, um programa de Doenças Crônicas Não-Transmissíveis e oferecemos tratamento para pacientes com tuberculose dentro de um centro de detenção.

As atividades de MSF na Síria não incluem áreas controladas pelo governo, uma vez que nossos pedidos de permissão para trabalhar em tais locais não foram concedidos até o momento. Para garantir a independência da organização a pressões políticas, MSF não recebe nenhum tipo financiamento governamental para seu trabalho na Síria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.