0

A comunidade brasileira que vive em Madrid fará um ato no dia 2 de abril, sexta-feira santa, às 13 horas no Parque Madrid Rio, para homenagear as mais de 317.900 (30/03) vítimas da Covid-19 no país, que é o segundo do mundo em número de mortes e casos (12,7 milhões em 30/03)). Além de simbolizar um velório público das vítimas fatais, com a presença de familiares e amigos dos mortos, o ato representará um repúdio à condução da pandemia no Brasil por parte do governo de Jair Bolsonaro, onde não há coordenação nem unidade em torno das medidas de prevenção. Mais de 1.000 indígenas faleceram por falta de assistência sanitária.. A maior parte dos contágios chegou às aldeias através dos invasores das terras indígenas, garimpeiros e comerciantes.

Convoca o evento o “Coletivo pelos Direitos no Brasil em Madrid”, com apoio pelos coletivos brasileiros “Luto pela Vida”, “Segura a Onda” (plataforma de prevenção à doença), “Memorial das Vítimas Fatais de Covid-19 no Brasil” e “Rede de Apoio às Famílias das Vítimas Fatais de Covid-19”.

Desde que a Covid-19 chegou ao Brasil, em março de 2020, o país vem figurando entre aqueles que pior gerenciaram o combate à pandemia e enfrenta hoje um colapso de seu sistema de saúde, além de uma crise econômica sem precedentes, com cerca de 14,3 milhões de desempregados. O presidente Jair Bolsonaro minimizou a gravidade da doença, chegando a chamá-la de “gripezinha”. Priorizou a economia sobre a saúde, condenando medidas de confinamento, e até tentando impedir que Estados e prefeituras fizessem quarentenas mais rígidas.

Além do desdém inicial à vacinação, a negativa de ofertas para adquiri-la e a defesa de remédios comprovadamente ineficazes, o Governo brasileiro já trocou 3 vezes de ministro da Saúde em menos de um ano, causando descontinuidade nas medidas de enfrentamento à doença. A situação agravou-se com o surgimento de variantes brasileiras do vírus, com maior poder e velocidade de propagação.

A pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisa e Estudos de Direito Sanitário (CEPEDISA) da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo e a Conectas Direitos Humanos revelou a existência de uma estratégia institucional de propagação do vírus promovida pelo governo brasileiro. A produção de portarias, medidas provisórias, resoluções, instruções normativas, leis, decisões e decretos do Governo Federal, assim como as falas públicas do presidente seriam responsáveis pela atual situação do país. São muitas as vozes no Brasil que qualificam a política de Bolsonaro como uma política de extermínio e genocida. “Hoje o Brasil é um país isolado e sua população vive uma falta total de perspectiva de futuro, sem ter um horizonte sobre quando vai sair deste caos, muito menos sobre que país vai restar depois”, dizem as entidades organizadoras.

Homenagem às vítimas da Covid-19 no Brasil – 02 de abril de 2021 – 13 horas

Parque Madrid Rio – gramado entre Matadero e Puente Santa Catalina

Metrô Legazpi

centralrbn

Walter Longo e Flavio Tavares discutem o futuro da comunicação nas empresas em evento online inédito

Artigo anterior

Encontro virtual do Barracão Teatro traz o tema edição entre as linguagens do teatro e do audiovisual

Próximo artigo

COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar