O Mundial de Snipe Feminino 2021 teve início na tarde desta quarta-feira (6), no Yacht Club Paulista, em São Paulo (SP), com 42 duplas participantes de sete países: Alemanha, Argentina, Brasil, Chile, Croácia, Estados Unidos e Noruega.

É a 14ª edição do evento internacional e a versão exclusiva só para mulheres é realizada pela primeira vez no País.

O primeiro tiro de largada ocorreu às 14h com uma regata barla-sota, com quatro pernas. O vento variou de 8 a 12 nós e direção Sul na Represa do Guarapiranga. Já na segunda do dia, o tempo virou – queda de quase 15 graus de temperatura a menos.

A competição de Snipe é liderada pela baiana Juliana Duque (YCB), campeã mundial de 2016. A velejadora, que faz dupla com a conterrânea Mila Beckerath, ficou em segundo lugar nas duas regatas do campeonato, e tem 4 pontos perdidos. Na sequência aparecem a gaúcha Martha Rocha e catarinense Larissa Juk (ICSC/MB) com 7 pontos perdidos.

”Foi uma média boa com dois segundos lugares! A Guarapiranga é uma raia bem difícil. Hoje deu mais vento e foi mais sofrido, mas foi legal”, comemorou Juliana Duque.

”O resultado foi um pouco parecido com de 2016 na Itália quando a gente também começou bem, com ótimos resultados no primeiro dia. É um bom sinal, mas agora precisamos manter a mesma média”.

A regata de estreia do Mundial de Snipe foi vencida pela dupla de Ilhabela (SP) formada por Anna Júlia Tenório e Débora Bergamini. 

As baianas Juliana Duque e Mila Beckerath ficaram na segunda posição, seguidas pelo barco da croata Andela Viturri e da norueguesa Maj Kristin Borgen.

A velejadora paulista Anna Júlia Tenório está em um ano especial. Em julho, atleta integrou o barco +Bravíssimo, campeão da Semana Internacional de Vela de Ilhabela.

Sua parceira, Débora Bergamini, é novata também na classe e veleja há menos de dois anos.

”Estava bem ansiosa e nervosa, mas muito feliz de estar aqui, no meu primeiro mundial e representando Ilhabela. A todo momento ficamos com o coração a mil”, disse Anna Júlia Tenório. ”Eu desde que sai do Optimist venho correndo de monotipos e oceano, estou acostumada com isso”. 

A segunda regata do dia do Mundial de Snipe teve as mesmas protagonistas, com Martha Rocha e Larissa Juk se recuperando do sexto lugar da prova de estreia. As duas lideravam na regata inicial e foram ultrapassadas na perna final de popa. Na segunda não deram chances e cruzaram em primeiro.

”Eu velejei muito tempo de Snipe, de 2007 a 2014, fazia a proa para diversas timoneiras. Então é legal estar resgatando essa classe que eu velejava, mas é gostoso porque são barcos que velejam muito perto uns dos outros. Conta muito a tática, muito o posicionamento de regata. É muito legal competir”, explicou Larissa Juk, que fez campanha olímpica de Match Race em Londres 2012.

As provas do Mundial de Snipe Feminino retornam nesta quinta-feira (7) , a partir de 13h, com previsão de mais duas regatas oficiais. A principal competição da categoria exclusiva para mulheres será realizada até o próximo sábado (9).

”O mais importante desse evento é a diversão das meninas na raia. Muitas estão se reencontrando depois de décadas, como as atletas olímpicas Cláudia Swan e Monica Scheel (470 em Barcelona 92). O nível técnico é muito alto e vamos aproveitar bastante esse momento”, disse Paola Prada, organizadora do Mundial de Snipe Feminino 2021.

O Snipe é uma das classes mais tradicionais da Vela. As mulheres do Brasil já conquistaram o mundial da modalidade, com as baianas Juliana Duque e Amanda Sento Sè na edição de 2016 em Bracciano, na Itália.

O Mundial de Snipe Feminino tem realização do Yacht Club Paulista e Associação Brasileira da Classe Snipe, com apoio da SCIRA – Snipe Class International Racing Association.

Campeãs Mundiais:

1994 Yokohama, Japão – Pauline Book & Carine Juliussen (NOR)

1996 Mar Menor, Espanha – Pauline Book & Carine Juliussen (NOR)

1998 Annapolis, EUA –  Ekaterina Skoudina & Tatiana Lartseva (RUS)

2000 Trieste, Itália –  Karianne Eikeland & Janett Krefting (NOR)

2002 St. Petersburg, EUA –  Carolyn Brown Krebs and Julie Redler (EUA)

2004 Oslo, Noruega – Andrea & Mariana Foglia  (URU)

2006 Punta del Este, Uruguai – Andrea & Marian Foglia  (URU)

2008 Roquetas de Mar, Espanha – Marina Gallego & Marina Sanchez (ESP)

2010 St. Petersburg, EUA – Anna Tunnicliffe & Molly Vandermoer (EUA)

2012 Malaga,Espanha – Marta & Angela Hernandez (ESP)

2014 Cordoba, Argentina – Maria Paula & Mariala Salerno (ARG)

2016 Bracciano, Itália –  Juliana Duque & Amanda Sento Sè (BRA)

2018 Newport, Rhode Island, EUA –  Carol Cronin & Kim Couranz (USA)

Sobre o barco

Classe: Snipe Class International Racing Association

Nº de tripulantes: 2

Designer: William Crosby

Material do casco: madeira ou fibra de vidro

Ano do primeiro projeto: 1931

Comprimento do casco: 4,7 m

Quantidade de vela: 2 (mestra e buja)

Peso do barco: 173 kg

 

Katarine Monteiro
Katarine Monteiro é jornalista especializada em esportes olímpicos e em saúde. Com cobertura de grandes eventos internacionais, como Jogos Pan-Americanos em Lima 2019, Qatar Total Open 2020, Qatar ExxonMobil Open 2019 - tênis em Doha (QT), Semana de Vela de Ilhabela, Transat Jacques Vabre 2019 (França-Brasil), L'Étape Brasil by Tour de France, também já fez coberturas de natação, maratona aquática, vôlei, polo aquático, Fórmula E, vela, skate e boxe, além de eventos esportivos como assessora de imprensa, relações públicas e social media. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.