Lançamento

Horsegirl lança novo single/lyric video ‘World of Pots and Pans”

VENCE O GRULKE PRIZE 2022 DA SXSW
COMO ATO NORTE-AMERICANO EM ASCENSÃO
 
SEU ÁLBUM DE ESTREIA, VERSIONS OF MODERN PERFORMANCE,
CHEGA EM 3 DE JUNHO VIA MATADOR
“Se há uma banda que parece estar dominando o SXSW deste ano, é Horsegirl” – NME
“… um exemplo hipnotizante do que Horsegirl é capaz (…) demonstra a capacidade da banda de transcender perfeitamente o gênero” – Clash
sobre ‘Anti-Glory’
“… o desenvolvimento em seu som e confiança desde seus primeiros singles está mostrando que grandes coisas estão por vir” – Gigwise
 “Vocais delicados, uma parede de guitarras, baixo pulsante e bateria explosiva: o lançamento mais recente do trio de noise-rock de Chicago é uma explosão” – Sunday Times ‘Hottest Tracks’, ‘Billy’
“…. há algo intensamente especial sobre seu som” – DIY sobre ‘NEU’
 “… há um enorme potencial neste espaço” –Evening Standard
A banda de Chicago Horsegirl teve um início elétrico em 2022, começando com o anúncio de seu álbum de estreia, Versions of Modern Performance, previsto para 3 de junho pela Matador. O trio foi colocado como as “campeãs do SXSW 2022” pela NME, que também notou como “as novas bandas e estrelas mais comentadas da semana – e, quase certamente, posteriormente, do ano – sobre as novas bandas e estrelas em formação”, e ganhou o Grulke Prizede ato norte-americano em ascensão, antes de fazer um show de estreia em Nova York. Hoje, eles continuam nessa trajetória com o lançamento do novo single e lyric video, “World of Pots and Pans”. Seguindo a propulsiva “Anti-glory”, “World of Pots and Pans” tem um charme pop áspero.

 

 

Penelope Lowenstein (guitarra, vocal), Nora Cheng (guitarra, vocal) e Gigi Reece (bateria) – as melhores amigas que compõe a Horsegirl – fazem tudo coletivamente, desde a composição, a troca de funções vocais, de instrumentos, até o design de som e arte visual. Reece e Cheng, calouras da faculdade, e Lowenstein, uma colegial, aprenderam a tocar – e se conheceram – através da significativa rede de programas de artes para jovens de Chicago. O calor e a força desse vínculo residem em cada segundo de seu debut.
Versions of Modern Performance foi gravado com John Agnello (Kurt Vile, The Breeders, Dinosaur Jr.) no Electrical Audio de Chicago. Ao longo do disco, Horsegirl brinca habilmente com textura, forma e sombra, mostrando seu gosto pela improvisação e experimentação. Pode-se ouvir elementos da música independente dos anos 80 e 90, que a banda ama profunda e sinceramente – o melodismo do que costumava ser chamado de “college rock”, o brilho dos anos 90 no lounge e noir; o rugido barulhento do shoegaze; os ganchos e ritmos do pós-punk. Há até um pouco de no wave. Mas como Horsegirl funde tudo isso, não soa como um pastiche, mas algo tão divertido e único quanto seus antecessores. Elas são mais bem compreendidas como parte de uma continuidade, mas estão construindo algo para o trio.