Conecte-se conosco

Negócios

Gerenciamento de riscos: o “segredo” da gestão

Publicado

em

A economia global sempre esteve à mercê de vários fatores, alguns deles jamais imaginados. A pandemia expôs a fragilidade de economias que imaginávamos serem à prova de tudo. Quem imaginou ver o PIB da maior economia o mundo retrair 3,5% em 2020? Esse foi o pior índice dos Estados Unidos desde 1946, ano em que começava a se recuperar dos efeitos da Segunda Guerra.

A pandemia encolheu o cofre de muitos países, aumentando as especulações financeiras e os riscos de qualquer negócio. No Brasil o cenário não foi diferente. O PIB nacional retraiu 4,1 % em 2020 trazendo insegurança do empresariado em relação aos investimentos. Como investir em um cenário sem saber quais os riscos envolvidos?

Planejar para acertar

Embora a maioria das empresas brasileiras siga a linha “agir-corrigir”, algumas passaram por essa crise econômica de maneira menos dolorosa, ao planejar suas estratégias e implementar ações a partir do gerenciamento de riscos (planejar-agir-checar-corrigir) inerentes ao seu negócio.

A gestão eficaz de qualquer organização pressupõe o gerenciamento de riscos que ameaçam sua estratégia. Para tanto, as empresas precisam identificar e agir para eliminar ou mitigar os riscos que põe em dúvida o sucesso de seus investimentos. Como fazer isso?

Gerenciamento de riscos

Quando bem executado, o gerenciamento dos riscos se constitui como uma das mais eficazes metodologias de gestão, auxiliando gestores a melhor condução de seus empreendimentos. O gerenciamento de riscos é segmentado em etapas claramente definidas:

  1. Identificação do risco

Consiste em identificar aquilo que pode afetar a estratégia da empresa (evento) e quais os efeitos na empresa se fator vier a se tornar uma realidade.

  1. Análise e Avaliação do risco

Normalmente baseados na probabilidade (P) e impacto (I) dos eventos identificados na etapa anterior, a empresa mede seu apetite ao risco. Em outras palavras, qual sua capacidade de suportar as consequências ou efeitos negativos decorrentes desse provável evento.

  1. Tratamento do risco

Com base na avaliação dos riscos, a empresa planeja e implementa ações preventivas que minimizem a probabilidade de ocorrência do evento e/ou o impacto associado. O tratamento dos riscos, ou seja, a implementação de ações preventivas, protege a empresa de potenciais perdas econômicas.

  1. Avaliação da eficácia das ações

O gerenciamento de riscos é uma atividade contínua e ininterrupta. Se bem executado, orienta a empresa contra investimentos errados e perdas financeiras associadas.

A tecnologia a serviço da economia

A implementação do gerenciamento de riscos pode ser feita manualmente, mas, em um mundo cada vez mais dinâmico, a utilização de softwares contribui para a efetividade dessa metodologia.

Levando-se em consideração as etapas do gerenciamento de riscos, empresas de tecnologia desenvolveram e oferecem ao mercado soluções eficazes para a identificação dos riscos (softwares para auditorias), análise e avaliação (softwares para análise e avaliação de riscos) e tratamento e avaliação da eficácia (software para implementação e controle de planos de ação).

Escolher de que forma gerenciar os riscos é uma opção particular de cada empresa. Em um mercado fragilizado pela pandemia e cada vez mais acirrado, rapidez e assertividade são fundamentais e contar com o auxílio de ferramentas que foram especialmente desenvolvidas para simplificar a gestão das empresas, pode ser a diferença entre o resultado desejado e a descontinuidade de um grande negócio.

Ivan Gonçalves é sócio-diretor da Qualyteam, empresa especializada em soluções para gestão da qualidade.

 

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda PODCAST RBN

TENDÊNCIA