Conecte-se conosco

Saúde

8 doenças que podem surgir com a inserção de piercing na boca

Cada vez mais pessoas adotam o uso do piercing em lugares diferentes da boca. Mas é preciso olhar além da beleza e avaliar os riscos antes de colocar o acessório

Publicado

em

8 doenças que podem surgir com a inserção de piercing na boca

O piercing é mais comum e histórico do que imaginamos. Há registros de povos que utilizavam este tipo de ornamento na época de 4.000 a.C. Muitas civilizações antigas, como maias e astecas, usavam piercings com cunho religioso. Nas culturas egípcia e indiana, o piercing demarca a hierarquia de uma pessoa na sociedade.

Na sociedade atual, a utilização de piercings, assim como qualquer outro acessório, está diretamente relacionada à moda. Apesar de ser um símbolo de estilo e beleza, é preciso tomar muito cuidado antes de aderir à moda.

Deve-se pesar os riscos antes de fazer a aplicação de qualquer piercing, mas é importante tomar um cuidado especial com aqueles que ficam na região da boca, incluindo língua, lábios e bochechas, por conta da sensibilidade desta região do corpo.

Neste artigo, vamos explicar com mais detalhes o que é um piercing bucal, os tipos diferentes, 8 riscos que podem acompanhar essa aplicação e os cuidados que você deve tomar com um piercing na área da boca.

O que é um piercing bucal?

O piercing bucal é qualquer tipo de acessório aplicado na área da boca, por meio de perfuração da pele ou da mucosa. A joia pode ser produzida com materiais variados, como aço cirúrgico inoxidável, titânio, ouro ou prata, por exemplo.

Diferentemente de outras áreas do corpo, é preciso tomar uma série de cuidados com os piercings bucais, pois não se trata apenas de pele e cartilagem, mas também há mucosas, que são ricamente vascularizadas e contato com alimentos, o que pode aumentar a proliferação de bactérias.

Quais são os tipos de piercings bucais?

Os tipos de piercings bucais mais comuns são na parte central da língua e nos lábios (superior ou inferior).

Também têm se popularizado piercings nas bochechas, imitando uma “covinha”, no freio da língua e até mesmo nas gengivas ou diretamente nos dentes. O posicionamento do furo e os formatos dos piercings podem ser os mais variados.

Quais são os riscos de colocar um piercing na boca?

Se não forem bem cuidados, os piercings bucais podem se tornar uma grande dor de cabeça. Por isso, é importante ficar atento aos riscos decorrentes da aplicação desse tipo de acessório.

 

  • Dor ou inchaço: sintomas muito comuns logo após a aplicação. Apesar de serem esperados após se colocar um piercing em qualquer parte do corpo, a sensibilidade aumenta na região da boca. Em casos extremos, o inchaço pode até mesmo prejudicar a passagem de ar e dificultar a respiração.
  • Hemorragia: ao furar qualquer parte da boca para se aplicar um piercing é esperado um sangramento, mas a sensibilidade da área bucal faz com que seja mais difícil de controlá-lo, e a pessoa pode perder uma quantidade significativa de sangue.
  • Alterações na mucosa: pode ocorrer retração gengival, periodontite e cáries e em casos mais sérios, pode ocorrer alterações na mucosa ao redor do piercing, causadas pelo trauma constante na região, sendo aconselhável a remoção do mesmo.
  • Infecções: estima-se que existam milhões de bactérias dentro da boca humana. Por isso, o ato de furar para colocar um objeto estranho pode aumentar consideravelmente as chances de haver uma infecção.
  • Alterações nas funções da boca: as principais funções da boca são comer e falar. Um piercing mal colocado pode dificultar a mastigação e até mesmo a pronúncia correta das palavras em uma conversa.
  • Prejuízo aos dentes: em alguns casos, o piercing fica em contato direto com a arcada dentária. O constante atrito pode danificar os dentes, gerando até mesmo desgaste no esmalte ou em restaurações e coroas.
  • Endocardite: a endocardite é a inflamação do endocárdio, tecido que reveste as válvulas e os tecidos cardíacos. Em casos extremos, o piercing bucal pode provocar este tipo de infecção, pois as bactérias entram pela boca, caem na corrente sanguínea pelo ferimento aberto, podendo chegar até o coração.
  • Doenças transmissíveis: de acordo com o Instituto Nacional de Saúde, o piercing bucal, quando aplicado sem os procedimentos corretos, pode ser uma forma possível de transmissão das hepatites B, C, D e G.

 

Como cuidar do piercing bucal?

Antes de ir em frente com a ideia de perfurar sua boca para colocar uma joia, é fundamental garantir que sua saúde bucal esteja em dia. Por isso, o primeiro passo é uma visita ao dentista.

Este profissional poderá dar mais orientações sobre os cuidados que você sempre deverá ter para garantir a saúde da sua boca com um piercing. Caso você ainda não tenha um dentista, pode contratar um plano dentário e encontrar um profissional de confiança próximo de você.

O próximo passo é escolher com muito cuidado o profissional que fará a aplicação do piercing em você. Verifique se o estúdio que você selecionou possui procedimentos rígidos de higiene e que o body piercer é especializado na aplicação de piercings bucais.

Exija que todos os materiais que serão usados na sua sessão sejam descartáveis e que os equipamentos necessários para fazer a perfuração estejam esterilizados. Procure também os certificados de segurança do estabelecimento.

Também é importante optar por uma joia hipoalergênica, preferencialmente de aço cirúrgico inoxidável. Elas têm duração maior e causam menos irritações na pele.

Logo após fazer o furo, siga todas as orientações do body piercer para garantir que o processo de cicatrização ocorra da maneira mais adequada possível. Neste intervalo, também evite tirar a joia, pois isso retarda a cicatrização correta. Eliminar o consumo de cigarros e de álcool neste período também ajudará a cicatrizar mais rápido.

Por fim, mantenha sua higiene bucal sempre em dia, escovando os dentes diariamente, utilizando fio dental e antisséptico bucal. Se bem cuidado, um piercing bucal pode durar a vida inteira.

O que fazer se eu tiver algum problema com um piercing bucal?

Se você sentir qualquer dor, incômodo ou reação adversa relacionada ao seu piercing, vá imediatamente ao dentista! Este é o profissional que poderá verificar o que está acontecendo na sua boca e quais são as medidas a serem tomadas para preservar sua saúde bucal.

Além disso, é importante sempre reforçar que as visitas ao dentista devem ser realizadas de maneira periódicas, pois é a única maneira de garantir que está tudo certo com a sua boca – com ou sem piercing.

Um plano dentário pode ser um bom aliado de quem quer manter um bom cuidado da boca e dos dentes. Com ele, é possível encontrar profissionais das mais diversas especialidades da área de Odontologia para manter tudo em dia e não prejudicar o seu sorriso.

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *