0

A Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) lança hoje (19) a campanha Quem Vacina Não Vacila, para reforçar a importância de se cumprir o calendário de vacinação dos adolescentes. Com a participação de influenciadores digitais e postagem nas redes sociais e internet, a ação destaca o papel da vacinação na proteção individual dos adolescentes e na saúde coletiva, já que um adolescente imunizado também protege pessoas de outras idades contra doenças infecciosas.

O calendário de vacinação para adolescentes do Ministério da Saúde recomenda a vacina contra o HPV; a vacina meningocócica ACWY, que previne a meningite; e a vacina DT (dupla adulto), contra difteria e tétano. Também é preciso conferir se vacinas como a da hepatite B e a tríplice viral (sarampo, rubéola e caxumba) estão em dia, além das doses de reforço previstas para outras vacinas.

O presidente da SBIm, Juarez Cunha, lembra que as coberturas vacinas já estavam em queda no país, e que a situação se agravou com a pandemia da covid-19. “[A adolescência] É uma faixa etária em que temos várias vacinas recomendadas e disponíveis, mas com certeza subutilizadas”, disse Cunha no lançamento da campanha. 

Além dos adolescentes, a ação pretende atingir educadores, responsáveis, profissionais de saúde e difusores de informação.

A campanha tem apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e do Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde. 

A chefe da área de Saúde e HIV do Unicef no Brasil, Cristina Albuquerque, avalia que o esforço de disseminar informação é importante porque uma das principais demandas da população é entender melhor os efeitos adversos previstos na vacinação e saber como proceder nesses episódios, que são considerados raros.

“A gente sabe que não é só no quesito da imunização. O adolescente não vai na unidade de saúde fazer prevenção, porque ele acha que não adoece. Ele tem aquele pensamento mágico de que é um super-herói”, disse, ressaltando ser importante mobilizar os próprios adolescentes a motivarem seus amigos a se vacinar. “Quem motiva um adolescente é outro adolescente empoderado”, disse.

A pediatra Ana Goretti representou o Programa Nacional de Imunizações no lançamento da campanha e apresentou dados sobre as coberturas vacinais dos adolescentes. De 2014 a 2020, a cobertura da primeira dose da vacina chegou a 79% das meninas e de 54,2% nos meninos. Para a segunda dose, a cobertura cai para 55,7% nas meninas e 34,1% nos meninos. Para a meningocócica C, a cobertura acumulada entre 2017 e 2019 é de 41% nos adolescentes de 11 a 14 anos.

“Nessa faixa etária, você tem uma crença muito arraigada de que vacina é para criança. Há um desconhecimento da família, e a pandemia tem trazido uma dificuldade maior”, disse a pediatra.

O diretor do Departamento de Pediatria da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, Marco Aurélio Sáfadi, lembrou que a vacinação de adolescentes contra a meningite, por exemplo, aumenta a proteção das crianças. Isso acontece, segundo ele, porque adolescentes e jovens adultos são os principais portadores de colônias da bactéria causadora da doença, o que nem sempre faz com que adoeçam, mas permite que transmitam a doença a outros indivíduos.

Vinícius Lisboa – Repórter da Agência Brasil

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Novo apagão pode ter sido causado por problema em linha de transmissão

Artigo anterior

Bolsonaro participa de cerimônia do Dia da Bandeira

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Saúde