Conecte-se conosco

BA

“Que haja celeridade na definição das novas vacinas”, afirma governador após reunião com ministro

Publicado

em

"Que haja celeridade na definição das novas vacinas", afirma governador após reunião com ministro

Foto: Fernando Vivas/GOVBA

O governador Rui Costa participou de reunião virtual com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e demais governadores na tarde desta quarta-feira (17), quando foi apresentado um cronograma de vacinação contra a Covid-19. O ministro informou que, de fevereiro até julho, 230,7 milhões de doses de vacinas serão distribuídas aos estados.

“O positivo é que finalmente foi apresentado esse cronograma. A expectativa é que novas vacinas possam ser contratadas e, com isso, antecipamos a vacinação. Estamos vivendo em vários estados brasileiros, a exemplo da Bahia, um aumento no número de doentes e um crescimento no número de óbitos. Portanto, há uma crise no Brasil nesse momento e somente a vacina será capaz de conter esse crescimento”, disse Rui.

Segundo o ministério da Saúde, 11,3 milhões de doses serão entregues aos estados ainda em fevereiro, sendo 2 milhões de doses da AstraZeneca/Fiocruz, importadas da Índia, e 9,3 milhões da Sinovac/Butantan, produzidas no Brasil.

O cronograma do primeiro semestre também inclui a vacina russa Sputnik V e a indiana Covaxin. “O ministério ainda está negociando a contratação dessas outras vacinas. A vacina russa já poderia ter chegado ao Brasil. O que estamos presenciando, infelizmente, é que estamos perdendo lotes de vacina, porque ninguém vai deixar um estoque parado esperando o dia que o Brasil decidir. Outros países vão comprando, e o Brasil vai ficando para o final da fila. A expectativa é que o ministério, junto com a Anvisa, acelere a homologação e a contratação dessas novas vacinas e, com isso, nós conseguiremos salvar muitas vidas humanas”, acrescentou Rui.

Pagamento de UTIs

De acordo com o governador, o ministro ainda apresentou critérios de pagamento de uso de UTIs. “Ele relatou que iria mudar o pagamento de pré-pago para pós-pago. O entendimento é de que o ministério está pretendendo, ao invés de pagar por leito habilitado, pagar apenas por leito utilizado. Mas o critério histórico do SUS não é esse. Se temos 10 leitos de UTI, nós habilitamos e pagamos por 10 leitos até porque a equipe que vai manter aquela UTI, sendo 9 ou 10 leitos ocupados, é a mesma. Não tem como reduzir o tamanho da equipe. O ministro, no nosso entender, finalizou concordando com isso, mas vamos aguardar a publicação da portaria”, afirmou Rui.

Luana Marinho

Link

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Propaganda PODCAST RBN

TENDÊNCIA