0

Na luta contra o coronavírus, a atuação de médicos, enfermeiros e outros profissionais é indispensável para que se tenha êxito nessa batalha. Nos bastidores da saúde, nutricionistas e técnicos em nutrição também têm estado na linha de frente, sendo responsáveis por fortalecer o sistema imunológico dos pacientes internados nas unidades hospitalares, ajudando na prevenção e no tratamento da Covid-19.  

Um desses profissionais é a técnica em nutrição Érica Soares, de 37 anos. Ela atua há sete meses na Unidade de Emergência Mãe Hilda do Curuzu, no bairro da Liberdade, em Salvador. Para Érica, fazer parte da equipe é motivo de orgulho. “Estou podendo ajudar outras pessoas. Além disso, estou feliz por ter sido inserida no mercado de trabalho através do Programa Primeiro Emprego”, diz. 

De segunda a sexta-feira é correria. Érica permanece centrada em suas atividades de trabalho, durante suas oito horas de plantão, mas nem por isso deixa de se cuidar. A técnica em nutrição explica os cuidados redobrados para atender as pessoas em segurança e manter o seu bem-estar. “Utilizo de três a quatro máscaras descartáveis por dia. Higienizo sempre as mãos com água, sabão e álcool em gel”, ressalta.  

Desafios 

Dentre os principais desafios listados pela técnica em nutrição, estão as precauções de distanciamento social com os pacientes, já que a profissional está suscetível ao contato direto com os usuários da unidade de saúde e outros profissionais e algumas dificuldades relacionadas à utilização de softwares digitais. “Tenho algumas dificuldades com o uso do computador por não ter conhecimento de alguns programas, mas a superação vem a cada dia, pois estou aprendendo muito aqui”, relata.  

Quem também está inserida no Programa Primeiro Emprego, há mais de um ano, é a jovem Patrícia Santos, de 23 anos. Técnica em enfermagem, Patrícia relata a sensação de estar contribuindo na luta para combater o coronavírus. “Tem sido uma experiência inigualável. Nunca imaginei que enfrentaríamos uma pandemia como essa. Muito gratificante estar atuando na área, ajudando as pessoas, não só na recuperação, mas também na prevenção, de forma efetiva, prestando assistência integral e qualificada para esses pacientes. De fato, não somos super-heróis, porém somos seres humanos e necessitamos de cuidados”, enfatiza Patrícia, que trabalha na mesma unidade de Érica.  

A técnica em enfermagem considera que as exigências e demandas atuais do mercado de trabalho são motivos de superação e que o Programa Primeiro Emprego é uma forma de promover a inserção neste mercado e dar os primeiros passos para a realização de muitos sonhos. “Sabemos que é muito difícil conseguir um emprego sem nenhum tipo de experiência, são raros os lugares que aceitam jovens recém-formados. O Programa Primeiro Emprego veio para garantir essa nova experiência e capacitar profissionais mais competentes com aprendizados diários”, avalia.  

Novos aprendizados trazidos pela pandemia 

“A pandemia veio para nos ensinar novos hábitos de higiene e principalmente de convivência com o próximo. Hoje os cuidados redobraram, quase não reconhecemos o outro profissional [é máscara, óculos, touca, viseira, luva, avental e outros equipamentos]. Estar com nossos familiares já não é a mesma coisa, vivemos pisando em ovos e mesmo assim somos gratos por estar ajudando muitas pessoas, por estar na linha de frente”, finaliza Patrícia.  

Segundo Beatriz Pereira dos Santos, coordenadora do Núcleo de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde, na unidade Mãe Hilda do Curuzu, a atuação das profissionais de saúde inseridas no Programa Primeiro Emprego é indispensável nesse momento de pandemia. “É percebido em pouco tempo a evolução de cada um. Além da qualificação profissional, eles contribuem muito para a melhoria do serviço atuando com profissionalismo, entusiasmo, comprometimento e dedicação”, observa. 

Além disso, Beatriz reforça os cuidados que estão sendo adotados para a segurança dos profissionais de saúde e dos pacientes. “Foram criados vários protocolos, com objetivo de trabalhar com segurança, evitando a disseminação da doença nos profissionais e usuários. O Núcleo de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde vem fazendo cumprir os protocolos e normas técnicas, assim como realiza periodicamente testagens nos trabalhadores, com o objetivo de ter um maior controle”, acentua. 

O Programa Primeiro Emprego é uma política pública de inclusão no mundo do trabalho, oferece aperfeiçoamento profissional contínuo e monitora o fazer laboral dos técnicos. Para além de emprego e renda, novas perspectivas de futuro são geradas e os órgãos e secretarias também se beneficiam das propostas de melhorias implementadas para a melhoria da gestão pública, executadas pelos beneficiários (as) em conjunto com os setores que eles atuam. 

Fonte: Ascom/ Saeb

Pamela Simplício

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Pfizer planeja ter mais de 1,3 bilhão de doses da vacina

Artigo anterior

Vendas de motocicletas têm queda de 2,3% em outubro

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em BA