A Prefeitura do Rio apresentou, na manhã deste domingo (03/01), o plano inicial de enfrentamento à COVID-19 na cidade. O anúncio foi feito após uma reunião do prefeito Eduardo Paes com integrantes do secretariado municipal, que contou ainda com a participação do governador do Estado Cláudio Castro e de outros representantes dos governos federal e estadual.

Entre as ações planejadas, estão a vacinação da população, a abertura de novos leitos de internação, a ampliação da testagem e a ativação do Centro de Operações de Emergências em Saúde – COE COVID-19 RIO. Também será lançado um aplicativo para que as pessoas possam fazer a autonotificação de casos.

– Nós queremos que haja uma integração nas ações de combate à COVID-19 entre a Prefeitura e o Governo do Estado. Uma das medidas que os secretários já estão tomando é integrar todas as normas, resoluções, regulamentos para o cidadão. Vamos trabalhar em conjunto, em parceria. Vamos centralizar a nossa ação num trabalho de conscientização – disse o prefeito Eduardo Paes, após a reunião no Palácio da Cidade, em Botafogo.

Prefeito e governador participam de reunião no Palácio da Cidade Foto: Italo Boquimpani

O prefeito frisou que, em relação à vacinação, vai seguir o Programa Nacional de Imunização, a ser anunciado pelo Ministério da Saúde. E o governador garantiu que o estado do Rio está preparado para iniciar a vacinação assim que o governo federal liberar o calendário.

– Na semana passada já chegaram oito milhões de seringas e, ainda em janeiro, (vamos receber) mais oito milhões. Tenho a certeza de que, se a vacinação começasse na quarta-feira, estaríamos 100% preparados.

Em seguida, o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, apresentou o plano de enfrentamento à COVID-19. A cidade deverá ter, até o fim de janeiro, 343 novos leitos para atendimento aos casos da doença. Além de 193 novas vagas na rede pública, a Prefeitura publicou, no Diário Oficial deste domingo, um chamamento para contratar 150 leitos da rede privada. Já os equipamentos e profissionais do Hospital de Campanha do Riocentro serão remanejados para os hospitais Ronaldo Gazolla, Souza Aguiar, Salgado Filho e Hospital Universitário Clementino Fraga Filho.

– Todos os recursos serão empenhados, ao máximo, para garantir o funcionamento de todo o sistema de saúde do Rio – destacou Soranz.

Também neste domingo, foi publicado um decreto que dá total transparência à ocupação e abertura de leitos na rede municipal de saúde, com acesso pelo portal http://smsrio.org/censo. O secretário de Saúde informou que, atualmente, existem 1.493 leitos livres na cidade. Mas ressaltou que é necessário haver uma central de regulação única das vagas nos hospitais.

– (A transparência) Não funcionará se a gente não tiver uma regulação única e trabalhar de maneira integrada com os três entes – governos federal, estadual e municipal.

Sobre a vacinação, Soranz explicou que, de início, o objetivo é o de imunizar 2,6 milhões de pessoas nas primeiras quatro etapas do plano de vacinação, a partir do cronograma do Programa Nacional de Imunização do Ministério da Saúde. A estratégia envolverá 450 pontos de vacinação na cidade, a maioria nas Clínicas da Família e Centros Municipais de Saúde, com 10,5 mil profissionais envolvidos.

A tendência é a de que, na primeira fase, deverão ser imunizados trabalhadores da saúde, pessoas a partir de 60 anos, pessoas com comorbidades, professores, indígenas, quilombolas e profissionais das forças de segurança e salvamento e serviços essenciais, além de funcionários do sistema prisional.

A Prefeitura também prevê ampliar a testagem de casos suspeitos de COVID-19. Inicialmente, deverão ser testadas cerca de 450 mil pessoas. As unidades de saúde oferecerão os testes de maneira fácil e sem burocracia. Pelo aplicativo Rio COVID-19 será possível realizar a autonotificação e o agendamento do teste diagnóstico, caso seja indicado.

Haverá ainda um monitoramento da situação epidemiológica para identificar as áreas com necessidade de maior atenção e fortalecimento das ações de proteção à vida. Um boletim semanal será divulgado com a situação de toda a cidade, dividida por região administrativa (RA).

– É fundamental identificar precocemente quem pode estar doente ou transmitindo a doença. Informar quando teve, onde mora, olhar o rastreamento do contato e fazer o georeferenciamento dos casos – enfatizou Soranz.

O Diário Oficial deste domingo traz ainda a composição do Centro de Operações de Emergências em Saúde – COE COVID-19 RIO, que funcionará nas dependências do Centro de Operações da Prefeitura do Rio (COR) e atuará em parceria com o Comitê Especial de Enfrentamento da COVID-19 (CEEC), composto por especialistas das três esferas governamentais.

As atribuições do COE COVID-19 RIO são planejar, organizar, coordenar e monitorar as ações de enfrentamento à doença; elaborar protocolos e análises relacionadas à situação epidemiológica na cidade; divulgar informações relativas à emergência de saúde pública; e deliberar sobre os estágios de aplicação das medidas protetivas para cada Região Administrativa (RA) do município.

Eduardo Paes e Nilton Caldeira tomam posse em solenidade na Câmara do Rio

Uma gestão para todos os cariocas e contra o preconceito

Bruno Rangel

Link

Qual sua reação?

Animado
0
Feliz
0
Apaixonado
0
Não sei
0
Bobo
0
Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *