conecte-se conosco

Saúde

mortes somam mais de 257 mil e casos passam dos 10,6 milhões

Redação

Publicado

em

O número de pessoas que morreram por complicações da covid-19 no Brasil subiu para 257.361. Em 24 horas, foram registradas 1.641 mortes. 

Já o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus desde o início da pandemia chegou a 10.587.001. Em 24 horas, foram confirmados pelas autoridades sanitárias 59.925 novos casos.

Os dados estão na atualização diária do Ministério da Saúde, divulgada na noite desta terça-feira (2). O balanço é produzido a partir de informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde.

Há, ao todo, 862.392 pessoas com casos ativos da doença em acompanhamento por profissionais de saúde e 9.527.173 pacientes se recuperaram.

São Paulo

Desde ontem, o estado de São Paulo registrou 468 mortes provocadas pelo novo coronavírus, o maior número já registrado desde o início da pandemia. O estado soma 60.014 mortes por covid-19.

Essa foi a segunda vez, somente este ano, que o balanço ultrapassa a marca de 400 mortes por dia. Isso havia ocorrido no dia 9 de fevereiro, com 424 mortes. O maior número de mortes, até então, havia sido no dia 13 de agosto, quando foram registradas 455 óbitos.

Em entrevista a jornalistas nesta terça-feira, o governador de São Paulo, João Doria, admitiu que essa é a pior semana desde o primeiro caso registrado da doença. “Entramos na pior semana da covid-19 da história da pandemia, desde 26 de fevereiro [de 2020]. Isso não apenas em São Paulo, os demais estados também, eu tenho falado com governadores de outros estados. Há uma preocupação generalizada dos secretários de saúde”, disse o governador. Doria disse que não descarta nenhuma medida, inclusive um lockdown, para tentar conter o vírus.

Além do recorde de mortes, o estado de São Paulo registra, esta semana, um outro recorde: o de pessoas internadas em estado grave. O número de pessoas internadas em unidades de terapia intensiva (UTI) ultrapassou a marca de 7 mil, registro mais alto já registrado desde então. Só hoje, 7.410 pessoas estavam internadas em estado grave. No pico da doença, em julho do ano passado, o recorde de pessoas internadas era de 6.250. As taxas de ocupação dos leitos de UTI estão atualmente em 75,5% na Grande São Paulo e em 74,3% no estado e vêm crescendo também. Há uma semana, no dia 23 de fevereiro, as taxas estavam em cerca de 68%.

A maior parte desses pacientes em estado grave são atualmente jovens, segundo o Centro de Contingência do Coronavírus.  “Nós tínhamos 80% dos pacientes, na primeira onda, que eram idosos e pessoas portadoras de doenças crônicas e obesas. O que temos visto hoje são pacientes mais jovens, cerca de 60% [do total de internados], na faixa de 30 a 50 anos, muitos dos quais sem qualquer doença prévia. São exatamente as pessoas que se sentem à vontade de sair e que acham que só vão perder olfato e paladar e que acabam perdendo a vida”, disse ontem o secretário da saúde Jean Gorinchteyn. “E o tempo que essas pessoas estão ficando nas unidades de terapia intensiva são também maiores. Antes a média era de 7 a 10 dias de internação. Hoje é de 14 a 17 dias, no mínimo”, acrescentou.

Estados

Liderados por São Paulo, os estados na lista de estados com mais mortes são Rio de Janeiro (33.176), Minas Gerais (18.645) e Rio Grande do Sul (12.654). As unidades da Federação com menos óbitos são Acre (1.020), Roraima (1.114), Amapá (1.144), Tocantins e (1.539).

Em número de casos, São Paulo também lidera (2.054.867), seguido por Minas Gerais (887.080), Bahia (689.454), Santa Catarina (681.391) e Paraná (656.410).

*Colaborou Elaine Patrícia Cruz

Agência Brasil*

Link

Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde

Pacientes em tratamento oncológico devem apresentar prescrição médica para se vacinar contra covid-19

Avatar

Publicado

em

Com o anúncio do início da campanha de vacinação da gripe e as novas faixas-etárias para imunização contra covid-19 surgiram muitas dúvidas em relação a como as pessoas com câncer devem proceder.

Pacientes oncológicos são classificados como grupo de risco para complicações ocasionadas pelo SARS-CoV-2, caso sejam contaminados. O vírus influenza também provoca complicações respiratórias graves. Pacientes imunodeprimidos, idosos e pessoas com outras comorbidades são bastante vulneráveis às duas doenças e por isso devem tomar ambas as vacinas. 

Embora pacientes com câncer não tenham sido incluídos em estudos clínicos das vacinas contra covid-19, os imunizantes aprovados pelos órgãos federais no país têm se mostrado eficazes, seguros e evitam formas mais graves da doença para a população em geral. “Com base em informações científicas disponíveis até o momento, há evidências suficientes para reforçar a indicação e a segurança das vacinas em geral contra covid-19 em pacientes com câncer, uma vez que o malefício de não se vacinar é significativamente maior”, afirma o oncologista e presidente da oncologia da Rede D’Or, Paulo Hoff.

A vacinação para influenza comprovadamente reduziu os casos de infecções graves em indivíduos considerados imunossuprimidos e, por isso, já vem sendo indicada rotineiramente para pessoas em tratamento e essa recomendação deve ser seguida. “Entretanto, não temos o mesmo tempo de experiência com a vacina para covid-19, porém sabe-se que indivíduos em tratamento oncológico com quimioterapia têm maior risco de desenvolver um quadro grave doença e, por este motivo a maioria das sociedades brasileiras têm recomendado a vacinação, independente do tipo de vacina, considerando as opções disponíveis atualmente”, afirma a oncologista da Clínica OncoStar, da Rede D’Or, Maria Ignez Braghiroli. 

Apesar da recomendação por parte da área médica, pessoas com câncer, transplantadas e demais pacientes imunossuprimidos, ou seja, quando tem os mecanismos de defesa comprometidos só poderão ser vacinados mediante apresentação de prescrição médica, conforme determina o Ministério da Saúde.

“De acordo com o Plano Nacional de Imunização, a vacinação para covid deve incluir indivíduos com diagnóstico de câncer em tratamento com quimioterapia ou que o fizeram o tratamento nos últimos seis meses, pois entram na lista de prioridades como comorbidades e devem seguir a recomendação adicional de manter um intervalo de 14 dias para outras vacinas, incluindo a gripe”, diz Maria Ignez. “Além disso, a maior parte das unidades de saúde solicita uma liberação médica para a vacinação. Então, a recomendação é que esse paciente consulte o seu oncologista”, completa.

Pacientes em tratamento ativo com quimioterapia têm mais chances de apresentar um quadro moderado a grave da doença, assim como idosos, obesos e hipertensos. A preocupação se dá porque muitas vezes quem faz quimioterapia pode ficar com a imunidade comprometida e, consequentemente, é mais suscetível a infecções no geral. “Por isso, para esses pacientes, a vacina pode salvar vidas e evitar complicações que podem prejudicar o tratamento oncológico”, explica. 

Há ainda algumas dúvidas em relação à administração da vacina para essas pessoas, mas a oncologista orienta que não há recomendações específicas formais quanto a intervalo de tempo para as infusões da quimioterapia e a administração da vacina. “Porém pessoas que apresentem febre ou sinais infecciosos, assim como neutropenia conhecida, que é um número baixo de neutrófilos (um tipo de glóbulo branco) no sangue, devem evitar se vacinar neste momento”, diz.

Pacientes em radioterapia não precisam esperar esse prazo entre as sessões para aplicar a vacina. Aqueles em planejamento cirúrgico devem aguardar alguns dias antes ou depois do procedimento. “É importante lembrar ainda que cada paciente é único e possui suas particularidades. Por isso, é fundamental conversar com o médico a respeito de qualquer necessidade específica”, orienta. 

Assim como outras vacinas, como a da influenza, em princípio, não há contra-indicações à vacinação com imunizantes de vírus inativos, como a Coronavac, a pacientes oncológicos ou em tratamento ativo. No Brasil, os dois imunizantes disponíveis para vacinação não possuem parte ativa do SARS-CoV-2. A Coronavac é considerada de vírus não ativo, enquanto a ChAdOx1, vacina da Astra Zeneca em parceria com a Universidade de Oxford, utiliza um vetor viral (adenovírus) não replicante, ou seja, não é capaz de se replicar e, por essa razão, é considerada inativada também.

Continue lendo

Saúde

Covid-19: mortes de grávidas e puérperas dobram em 2021

Redação

Publicado

em

Por

O número de mortes de grávidas e puérperas – mães de recém-nascidos – por covid-19 mais que dobrou em 2021 em relação à média semanal de 2020. Além disso, o aumento de mortes neste grupo ficou muito acima do registrado na população em geral, segundo dados analisados pelo Observatório Obstétrico Brasileiro Covid-19 (OOBr Covid-19).

Uma média de 10,5 gestantes e puérperas morreram por semana em 2020, chegando a um total de 453 mortes no ano passado em 43 semanas epidemiológicas. Já em 2021, a média de óbitos por semana chegou, até 10 de abril, a 25,8 neste grupo, totalizando 362 óbitos neste ano durante 14 semanas epidemiológicas.

Segundo o levantamento houve um aumento de 145,4% na média semanal de 2021 quando comparado com a média de mortes semanal do ano passado. Enquanto isso, na população em geral, o aumento na taxa de morte semanal em 2021 na comparação com o ano anterior foi de 61,6%.

A professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e uma das criadoras do observatório, a médica Rossana Francisco avalia que o país precisa de políticas públicas direcionadas para a população de gestantes e puérperas para conseguir reduzir sua mortalidade. O OOBr Covid-19 usa dados do Sistema de Vigilância Epidemiológica da Gripe (Sivep-Gripe) e, segundo a atualização mais recente, com números até 10 de abril deste ano, desde o início da pandemia foram confirmados 9.985 casos de covid-19 entre gestantes e puérperas, com 815 mortes.

Morte materna elevada

A médica, que também é presidente da Associação de Medicina e Obstetrícia do Estado de São Paulo (Sogesp), afirma que a morte materna no Brasil, em geral, é elevada e que havia uma fragilidade no atendimento às gestantes e puérperas dentro do sistema de saúde no país. Diante de elementos como a sobrecarga nesse sistema por conta da pandemia e o surgimento de variantes de covid-19 – que podem estar associadas a casos mais graves da doença -, há uma piora no atendimento a este grupo.

“Quando olhamos a situação da gestante e da puérpera, já temos uma rede de saúde que não é muito organizada para atenção a casos graves para este público, tanto que [o Brasil] tem uma razão de morte materna de 55 [mortes por 100 mil nascidos vivos], deixando claro que realmente temos uma dificuldade na atenção para a saúde da mulher, especialmente gestante e puérpera”, disse a médica. A recomendação da Organização Mundial de Saúde (OMS) é que a razão de morte materna seja menor que 20. 

A falta de acesso aos tratamentos da doença, como internação em unidades de terapia intensiva (UTIs) e intubação, foram apontados como alguns dos gargalos no atendimento a esse grupo. Os dados do observatório mostram que uma em cada cinco gestantes e puérperas mortas por covid-19 (23,2%) não chegaram a ser admitidas em UTIs e, em um terço das mortes (33,6%), elas não foram intubadas.

“Para falarmos de acesso, pensando em uma doença que é grave e respiratória, todo mundo deveria ter acesso à intubação orotraqueal e também à UTI. Só nisso, já vemos que tem uma deficiência nessa atenção à gestante e puérpera”, avalia Rossana. Segundo a médica, para diminuir as mortes é preciso haver ações com o objetivo tanto de prevenção da covid-19 neste grupo específico como para melhorar a rede de atendimento.

A médica orienta que essas mulheres façam isolamento social e usem máscara, além de destacar a necessidade de garantia para que gestantes e puérperas possam fazer seus trabalhos em home office. “Temos que primeiro dar publicidade a esses dados para que as mulheres conheçam e entendam que gestantes e puérperas são um grupo de maior risco do que a população geral. Quando elas pegam covid-19, o risco que elas têm de evoluir para uma forma grave e precisar de uma UTI e de uma intubação é maior do que temos na população geral”.

Além disso, um dos objetivos do observatório é que os gestores públicos possam ter uma base de dados com este recorte. A ferramenta permite a análise não só dos casos no Brasil, mas de forma separada por estados e por municípios. “Então que se fortaleça e que se organize a rede de atenção à gestante e puérpera para garantir que ela consiga ter acesso a uma unidade hospitalar que tenha terapia intensiva, que tenha obstetras especializados em gestação de alto risco e também o serviço de neonatologia adequado.”

Rossana disse que, no ano passado, o Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC, na sigla em inglês) alertou que grávidas corriam mais risco de desenvolver formas graves da covid-19 na comparação com o total da população de mulheres. Segundo ela, a gestante tem um risco maior de precisar de uma internação em UTI, de precisar de intubação orotraqueal e até um risco maior de óbito.

Governo Federal

O Ministério da Saúde informou na semana passada, em coletiva de imprensa, que os municípios receberão R$ 247 milhões para prevenir a disseminação da covid-19 entre gestantes. De acordo com o ministério, os recursos deverão ser direcionados pelos municípios para custeio de hospedagem de grávidas e puérperas que não têm condições de isolamento domiciliar e distanciamento social e também para identificação precoce e o monitoramento de sintomas da covid-19, para qualificar o atendimento para o pré-natal, parto e puerpério e para o atendimento odontológico das gestantes.

 Além desse valor, a pasta informou que R$ 1 bilhão foi direcionado a gestantes, considerando investimentos feitos pelo governo em 2020 e 2021.

O secretário de Atenção Primária à Saúde do ministério, Raphael Câmara Medeiros Parente, acrescentou que a cepa P.1 do vírus, conhecida como variante de Manaus, mostrou agressividade maior em grávidas quando comparada com o vírus que circulava em 2020.

Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil

Link

Continue lendo

Saúde

Brasil registra 1.347 óbitos e 30.634 casos de covid-19

Redação

Publicado

em

Por

O Brasil contabiliza 374.682 mortes por covid-19, conforme atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta segunda-feira (19). Em 24 horas, foram registrados 1.347 novos óbitos pelas secretarias estaduais de saúde. 

A soma de casos acumulados é de 13.973.695. Entre ontem e hoje, foram notificados 30.624 novos casos de infecção. Os dados indicam também que 1.138.301 pacientes estão, neste momento, em acompanhamento. Outros 12.460.712, o correspondente a 89,2% dos infectados, já se recuperaram.

Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil (19.04.2021).

Estados

São Paulo soma até o momento 2.750.300 pessoas contaminadas. Os outros estados com maior número de casos no país são Minas Gerais (1.281.421) e Rio Grande do Sul (922.550). Já o Acre segue com o menor número de casos (75.599), seguido de Roraima (93.790) e Amapá (103.374).

Em número de mortes, São Paulo também lidera, com 88.528 óbitos. Rio de Janeiro (41.418) e Minas Gerais (30.397) aparecem na sequência. Os estados com menos mortes são Acre (1.433), Roraima (1.445) e Amapá (1.477).

Heloisa Cristaldo – Repórter da Agência Brasil

Link

Continue lendo

TENDÊNCIA