0

Considerado o maior rali do mundo, o Dakar tem um percurso que supera 7,6 mil quilômetros, sendo 4,7 mil quilômetros de trechos em alta velocidade e outros 2,9 mil quilômetros de deslocamento entre pontos diários de largada e chegada. Enfrentar os 12 dias de prova não requer apenas a resistência de pilotos e navegadores, mas também confiança na equipe de apoio que os acompanha e auxilia. É aí que entra Ednei Galvão.

Varela, Ednei e o auxiliar Daniel

Varela, Ednei e o auxiliar Daniel – Maykel Justo / Arquivo Pessoal

O mecânico de 48 anos é o braço direito de Reinaldo Varela e Maykel Justo, que competem na categoria UTV (Utility Task Vehicle, ou veículo utilitário multitarefa, na tradução literal do inglês). É o quinto ano seguido que o profissional trabalha com Varela no Dakar, com quem foi campeão do rali em 2018. Galvão acompanha o piloto, porém, desde os 12 anos. “Mais tarde, mas ainda jovem, comecei a trabalhar com ele. Por isso já perdi as contas de quantas vitórias e títulos conquistamos juntos”, contou o mecânico. “São mais de três décadas! Sabia que o Ednei está comigo há um tempão, mas nunca tinha feito essa conta, acho nem ele também. É um grande parceiro. Lembro dele na oficina, ainda pequeno, xeretando tudo. Naquela época eu estava bem no início da carreira. Eu mesmo consertava e pintava o carro. Ele ficava de olho, curtia muito. Daí deu nisso, virou um tremendo profissional”, emendou Varela.

A edição 2021 do Dakar teve uma pausa no último sábado (9), sendo retomado neste domingo (10) para mais 737 quilômetros de prova. O que não significa que Galvão, Varela e Justo tiveram o dia para folgar. “Em época de corrida, a gente nunca para. Desde sexta-feira (7) à noite, fizemos uma manutenção geral. Desmontamos tudo, cada parafuso, checamos cada detalhe, especialmente nas áreas onde o carro sofre mais esforço. Registramos a vida de cada peça e fizemos a troca conforme a quilometragem, independentemente de [a peça] estar quebrada ou não”, explicou o mecânico. “Ao longo do tempo, a gente vai aprendendo segredos da mecânica e da preparação para as corridas. Até hoje eu estou aprendendo. É uma lição por dia”, completou.

Carro na pista do maior rali do mundo

Carro na pista do maior rali do mundo – MHC Photography

 

Mais brasileiros

Na etapa deste domingo, vencida pelos chilenos Francisco Contardo e Juan Pablo Vinagre, Varela e Justo ficaram na terceira posição entre os UTVs. Eles ocupam o sexto lugar geral, a uma hora, 21 minutos e 54 centésimos dos poloneses Aron Domzala e Maciej Marton, que lideram a categoria após sete dias. A parceria entre o também brasileiro Gustavo Gugelmin e o norte-americano Austin Jones aparece em segundo, nove minutos e 31 centésimos atrás da dupla da Polônia.

Na categoria Carros, Marcelo Gastaldi e Lourival Roldan terminaram o domingo em 19º, enquanto Guilherme Spinelli e Youssef Haddad ficaram em 39º. Na classificação geral, Gastaldi e Roldan aparecem em 15º lugar, uma posição a frente de Spinelli e Haddad. Nesta segunda-feira (11), no oitavo dia de competição, serão mais 709 quilômetros, com 375 quilômetros em trechos de alta velocidade e o restante em deslocamentos. O rali segue até sexta-feira (15).

“Como navegador, estou especialmente feliz por que a navegação tem sido um ponto fundamental nesta edição do Dakar. E sabemos que será assim até o final. Ainda temos mais cinco dias de muito desafio pela frente”, concluiu Justo.

Lincoln Chaves – Repórter da Tv Brasil e da Rádio Nacional – São Paulo

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Japão detecta nova variante de coronavírus em viajantes do Brasil

Artigo anterior

Nas duplas, Luisa Stefani avança no WTA de Abu Dhabi

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Esportes