Conecte-se conosco

BA

Homenagem, live e edital de R$ 3 milhões comemoram 223 anos da Revolta dos Búzios

Publicado

em

Homenagem, live e edital de R$ 3 milhões comemoram 223 anos da Revolta dos Búzios

Bandeira da Revolta dos Búzios é hasteada 223 anos após a deflagração do levante
Foto: Carol Garcia/GOVBA

Lançar um olhar sobre as batalhas e heróis do passado para pavimentar um futuro com menos desigualdades sociais e combatendo-se o racismo. Luiz Gonzaga das Virgens e Veiga, João de Deus do Nascimento, Manoel Faustino dos Santos Lira e Lucas Dantas de Amorim Teles, heróis da Revolta dos Búzios, foram homenageados nesta quinta-feira (12), na Praça da Piedade, onde foram enforcados e esquartejados, no ano de 1799.

Com a presença das secretárias de Promoção da Igualdade Racial, Fabya Reis, e da Cultura, Arany Santana, e de representantes do movimento negro e da sociedade civil, também foi hasteada a bandeira do levante popular por liberdade, que completa 223 anos. Ainda nesta quinta-feira (12), o Edital da Década Afrodescendente, que vai investir R$ 3 milhões em iniciativas da sociedade civil de combate ao racismo e à intolerância religiosa, foi publicado no Diário Oficial do Estado.

Também nesta quinta (12), a partir das 14h30, a live “Revolta dos Búzios: Lutas históricas e contemporâneas” discute a importância do levante popular. O encontro reunirá estudantes, educadores, dirigentes escolares e ativistas, com participação e interatividade do público. A transmissão, realizada pelo canal da Secretaria da Educação no Youtube, terá palestras de pesquisadores, representações do movimento negro e de blocos afro.

Homenagem, live e edital de R$ 3 milhões comemoram 223 anos da Revolta dos Búzios
Foto: Carol Garcia/GOVBA

Segundo Fabya Reis, esses são exemplos das diversas ações afirmativas e de reparação desenvolvidas pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi). “Hoje foi publicado um edital de R$ 3 milhões, em que selecionaremos mais de 60 organizações. Um edital que é justamente para fomentar ações e iniciativas da sociedade civil e do movimento social negro, promovendo essa grande capilaridade da igualdade racial. Temos o nosso Centro de Referência Nelson Mandela, que acolhe vítimas de racismo e intolerância religiosa e pode ser acionado pelo (71) 3117-7448. Temos nossos órgãos colegiados. O governador Rui Costa acabou de transformar uma comissão de povos tradicionais em conselho. Nós seguimos no diálogo com a sociedade civil, com ações institucionais para que as políticas de igualdade racial sigam fortalecidas”, afirmou a secretária.

O coordenador nacional de Entidades Negras, Gilberto Leal, destacou a relevância da Bahia na história do Brasil. “A Bahia foi centro das principais revoltas negras contra o sistema opressor. Várias revoltas aconteceram nesse estado e nessa cidade. Então, o papel da Bahia já é histórico e importante. É um estado de maioria da população negra, mais de 80% no estado e também na capital. Mas o negro também é maioria nos presídios, entre moradores de rua, entre os desempregados. Esses são dados que a estatística oficial mesmo mostra. Então, a Bahia é um estado cuja responsabilidade no processo de reparação da dívida histórica é preponderante, porque aqui se instala um processo político e cultural também. A cultura da Bahia é uma cultura marcada pelas expressões de matrizes africanas”, disse.

Homenagem, live e edital de R$ 3 milhões comemoram 223 anos da Revolta dos Búzios
Foto: Carol Garcia/GOVBA

Já a vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento das Comunidades Negras (CDCN), Lindinalva de Paula, ressaltou a importância da preservação da memória e da história do povo negro. “Quando a gente traz para a história os heróis negros que a minha geração não conheceu, porque não apareciam nos livros didáticos, isso potencializa e fortalece a luta pela igualdade. É uma reparação histórica para as nossas crianças e adolescentes saberem que nós também temos heróis e heroínas negras. A gente tem sim que parabenizar iniciativas como essa, a criação de equipamentos e de órgãos como a Sepromi e como o CDCN. Políticas afirmativas são imprescindíveis, porque se a gente melhora as condições do negro, a gente melhora as condições da população de uma maneira geral”.

Repórter: Raul Rodrigues

Luana Marinho

Link

Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Continue lendo
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *