0

O Governo do Estado lançou na tarde desta terça-feira (22), durante reunião virtual, o Observatório de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia. A iniciativa, viabilizada por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Secti), reunirá diversas informações sobre a produção de conhecimento na área de ciência, tecnologia e inovação (CTI) em todo o território baiano.

A plataforma irá contribuir ainda para a proposição e elaboração de políticas públicas que auxiliem nas demandas da sociedade. O Observatório já está disponível e pode ser acessado neste link, com informações sobre educação e emprego e renda, mas outros dados serão adicionados posteriormente.

Segundo a secretária da Secti, Adélia Pinheiro, o Observatório permite que o ecossistema de Ciência, Tecnologia e Inovação esteja integrado e em ação colaborativa. “Efetivamente, teremos produção de ciência, produção de desenvolvimento e tecnologia com incorporação em processos de trabalho, através de inovação, com os quatro segmentos que compõem o ecossistema: universidades e instituições de pesquisa, governos, sociedade civil organizada e setores produtivos. Ao dispor de uma plataforma que privilegia o conhecimento e informação, permitindo o entrelaçamento e integração dos entes do ecossistema, teremos melhores resultados”, explicou.

A iniciativa possibilita, por exemplo, que o setor produtivo tenha acesso a informações sobre profissionais com formação de ponta em diversas áreas no estado. Além da melhoria na interlocução e colaboração entre os diversos atores, o Observatório auxilia as secretarias e demais órgãos de governo na tomada decisão e construção de políticas públicas ainda mais efetivas.

A plataforma na qual está disponível o Observatório de Ciência, Tecnologia e Inovação foi desenvolvida pela Companhia de Processamento de Dados do Estado (Prodeb) a partir das bases de dados públicas já disponíveis. “Nós utilizamos esses dados transformando, através de gráficos e de possibilidades, em informação útil para os entes do ecossistema e para a sociedade. Nessa primeira fase, iremos englobar as informações referentes à educação em todos os níveis, quais as áreas de conhecimento e em que lugar as pessoas estão sendo formadas e com quais competências. Também passa a ficar à disposição da sociedade os investimentos feitos pela Fapesb em pesquisa por área do conhecimento e a partir das bolsas de iniciação cientifica, mestrado, doutorado e pós-doutorado”, acrescenta Adélia.

Repórter: Jairo Gonçalves

Luana Marinho

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Mais de 80% da população deve ser vacinada para combater circulação do coronavírus, afirma infectologista

Artigo anterior

Mais uma atleta baiana é convocada para integrar a Seleção Brasileira de Boxe Olímpico

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em BA