0

Assim como na última Copa América, o Brasil sofreu com a forte retranca da Venezuela. A diferença é que, ao contrário do ano passado, a Seleção saiu vitoriosa. Nesta sexta-feira (13), os comandados de Tite superaram a Vinotinto por 1 a 0 no estádio do Morumbi, em São Paulo, pela terceira rodada das eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022, no Catar. O duelo foi transmitido ao vivo pela Rádio Nacional e garantiu a liderança isolada aos brasileiros, com nove pontos e 100% de aproveitamento.

Do time considerado ideal, três jogadores não estiveram em campo: o volante Casemiro (infectado pelo novo coronavírus), o meia Philippe Coutinho e o atacante Neymar (lesionados). Apesar da posse de bola e do controle das ações ofensivas, a seleção brasileira mostrou dificuldades, técnicas e de criatividade, para escapar da retranca adversária. São detalhes que Tite terá de ajustar até terça-feira (17), pensando no próximo compromisso: o clássico diante do Uruguai, no estádio Centenário, em Montevidéu, às 20h (horário de Brasília). Com a derrota, os venezuelanos – que, no mesmo dia, recebem o Chile às 18h – continuam na penúltima posição das eliminatórias, ainda zerados.

Brasil vence Venezuela por 1 a 0

Brasil garantiu a liderança após vitória sofrida – Direitos reservados/Lucas Figueiredo -CBF

O primeiro tempo foi quase ele todo jogado na metade venezuelana do campo. A seleção vinotinto se fechou toda, com duas linhas defensivas – uma de cinco atletas e outra de quatro -, para diminuir os espaços do Brasil, que teve a posse da bola em mais de 70% do tempo. Na beira do campo, Tite pedia a todo instante para os brasileiros girarem a bola, com paciência, mas também se movimentarem. O que pouco aconteceu.

Em meio à dificuldade de se aproximar da área venezuelana, a seleção brasileira buscou, muitas vezes, lançamentos para quebrar as linhas adversárias. O Brasil até balançou as redes assim logo aos seis minutos, em jogada concluída pelo atacante Richarlison, mas a arbitragem entendeu que o lateral Renan Lodi – alçado pelo zagueiro Marquinhos, no inicio do lance – estava impedido. Aos 32, agora em posição legal, Renan Lodi cruzou pela esquerda, o atacante Gabriel Jesus desviou e Richarlison, de forma inacreditável, perdeu na pequena área.

Foi a única chance real da Seleção nos 45 minutos iniciais. Com a equipe estática, pouco intensa e com muitos erros na hora do passe final, a insistência nos lançamentos ou em passes mais aprofundados se mostrou pouco eficiente. Fora a oportunidade desperdiçada por Richarlison, o mais perto que o Brasil chegou do gol foi em um chute do volante Douglas Luiz, que passou rente à trave, aos 42 minutos.

Para tentar qualificar o passe e quebrar a marcação, Tite retornou para o segundo tempo com o meia Lucas Paquetá no lugar de Douglas Luiz e com Richarlison caindo pela direita, com Gabriel Jesus no meio do ataque. A equipe seguia insistindo em lançamentos e cruzamentos, ainda sem aquela movimentação esperada pelo técnico. Mas quando ela aconteceu, a rede balançou. Aos 22 minutos, Paquetá esticou a bola para Everton Ribeiro – que voltou do intervalo na esquerda, mas apareceu pela direita. O meia cruzou, a zaga afastou mal e Firmino aproveitou para marcar.

Com a vantagem no placar, o treinador mexeu no ataque, trocando Richarlison e Gabriel Jesus por Everton Cebolinha e Pedro. A última chance brasileira no duelo passou pelos pés do atacante do Flamengo, que brigou pela bola na meia-lua e rolou para Firmino bater colocado, aos 40 minutos, próximo à meta venezuelana. A única oportunidade da Vinotinto foi uma cobrança de falta do meia Romulo Otero, já nos acréscimos, na intermediária. A batida do jogador do Corinthians, porém, resvalou na barreira, sem perigo à meta defendida por Ederson.

Brasil comemora gol contra a Venezuela

Firmino marcou o único gol da partida contra a Venezuela – Direitos reservados/Lucas Figueiredo – CBF

Próximo adversário da seleção brasileira, o Uruguai mostrou força ao derrotar a Colômbia fora de casa por 3 a 0, em Barranquilla. Os atacantes Darwin Núñez, Luís Suárez e Edinson Cavani. A Celeste Olímpica foi a seis pontos, em quarto lugar, enquanto os colombianos caíram para a sétima posição, com quatro pontos. O Chile, por sua vez, ganhou a primeira nas eliminatórias. A Roja recebeu o Peru em Santiago e venceu o “Clássico do Pacífico” por 2 a 0, com dois gols do meia Arturo Vidal. A equipe da casa subiu para quatro pontos e à sexta posição. Com um só ponto, os peruanos estão em oitavo.

Lincoln Chaves – Repórter da Rádio Nacional e da TV Brasil – São Paulo

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Ramon Amorim, maquiador das estrelas, inicia série de trabalhos com Thelma Assis, vencedora do BBB20

Artigo anterior

EM PARCERIA COM JOVEM DEX, KAYBLACK APRESENTA “PANAMERA”

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Esportes