0

Chico Liberato

Na próxima sexta-feira (18), o artista baiano reconhecido internacionalmente, Chico Liberato, lança exposição virtual com o título ‘A vida é da cor que pintamos’. A iniciativa é composta por obras prediletas do acervo particular do artista que estão expostas na capela do Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM).

Segundo Cândida-Luz Liberato, filha de Chico Liberato e curadora da exposição, a intenção seria fazer uma grande apresentação presencial para o público na capela do MAM, mas como o museu está fechado por conta da pandemia, a Liberato Produções Culturais, juntamente com o Ipac, resolveu produzir uma exposição virtual.

“Chico Liberato é a arte e cultura brasileira. Suas palavras são ‘essência’ e ‘referência’. A referência busca responder de onde viemos e, por conta disso, temos nas suas obras forte presença dos povos que formaram a cultura brasileira: índio, negro e europeu. A essência revela toda riqueza que herdamos dessa miscigenação única: cores e grafismos ancestrais. Sua abstração não é abstrata nem figurativa porque ela revela aquilo que está no sentimento, no coração e na alma”, resume Cândida Liberato sobre o conceito das obras em exposição.

O artista

Chico Liberato é um artista baiano premiado nacional e internacionalmente. Ele integra a segunda geração de artistas modernos da Bahia, destacando-se como autodidata, multimídia e pioneiro do cinema de animação, o que justifica toda sua coletânea em plataforma digital.

De importância histórica, Liberato teve participação na realização de duas bienais da Bahia, que trouxeram reconhecimento aos artistas locais e interatividade com os nacionais, fazendo de Salvador centro do Nordeste para discussão e produção de arte. Ele também foi gestor do MAM por 12 anos, onde inovou realizando oficinas gratuitas de diferentes técnicas artísticas que possibilitaram a participação de artistas de baixa renda, bem como licitações públicas para promover e financiar obras de arte.

A contribuição artística de Chico Liberato é ampla e diversa: inclui desenho, pintura, escultura, xilogravura, cinema de animação e instalações. Pesquisador de regionalidades, as obras dele contêm, desde a origem, forte presença do sertanejo, do indígena e da negritude que marca a colonização do país.

Fonte: Ascom/Ipac

Luana Marinho

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Bolsonaro reconhece Joe Biden como presidente eleito dos EUA

Artigo anterior

Intel® e ViewSonic ® fazem parceria para apoiar as instituições educacionais em seus desafios de ensino durante e pós a pandemia da Covid-19

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em BA