0

Em mais um dia de nervosismo no mercado financeiro, a bolsa de valores fechou em queda de 1%. O índice Ibovespa, da B3 (a bolsa de valores brasileira), encerrou esta terça-feira (29) aos 93.580 pontos, com recuo de 1,15%.

Com o desempenho de hoje, o indicador está no menor nível desde 16 de junho, quando tinha encerrado aos 93.531 pontos. Após recuar 2,4% ontem (28), o Ibovespa chegou a esboçar recuperação nas primeiras horas do pregão, mas logo perdeu força no decorrer da sessão.

No mercado de câmbio, o dólar comercial encerrou a sessão vendido a R$ 5,643, com leve alta de 0,14%. A cotação oscilou fortemente. Depois de iniciar o dia em queda, chegando a cair para R$ 5,61 pouco antes das 10h, a divisa subiu fortemente, alcançando R$ 5,68 na máxima do dia, por volta das 13h. A moeda desacelerou durante a tarde até fechar próxima da estabilidade.

O mercado financeiro continua sob tensão, após o anúncio da proposta de usar recursos de precatórios da União e do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Hoje à tarde, o secretário do Tesouro, Bruno Funchal, disse que a reação dos investidores representa um alerta .

Na avaliação do secretário do Tesouro, a solução para superar o impasse em relação às fontes de recursos para o Renda Cidadã passa pelo debate com o governo e o mercado mostrando as limitações das propostas apresentadas. “É importante o processo por que a gente está passando. Está sendo conturbado, mas é importante a sociedade estar junto e entender quais são as alternativas”, declarou Funchal.

* Com informações da Reuters

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil*

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

BNDES lança linha de crédito voltada para Indústria 4.0

Artigo anterior

Lei aumenta pena para maus-tratos a cães e gatos

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Economia