0

Logo após ser reconduzido ao comando do Comitê Olímpico do Brasil (COB) para o mandato de 2021 a 2024, Paulo Wanderley fez um discurso no qual se comprometeu a oferecer mais espaço à Comissão de Atletas.

O dirigente, que formava a chapa Força é União junto com o vice Marco La Porta, foi reeleito nesta quarta-feira (7) ao receber 26 dos 48 votos possíveis no pleito.

“Vivenciar um momento como o de hoje me emociona verdadeiramente e me faz lembrar toda a trajetória de 2017 para cá, o quanto construímos juntos. Isso, por si só, já é uma vitória. Se atualmente vivemos a democracia no COB, se tivemos pela primeira vez em décadas três chapas concorrendo à presidência, se tivemos a participação maciça e fundamental de atletas na tomada da decisão, isso foi fruto da reforma estatutária que conduzi como presidente desta entidade”, afirmou Paulo Wanderley logo após a vitória.

E o dirigente destacou que as mudanças devem continuar nos próximos anos: “A Comissão de Atletas vem mostrando seu amadurecimento e comprometimento com questões tão fundamentais do esporte em todas as suas falas e ações. Contará com ainda mais apoio jurídico, financeiro e de comunicação. Terá também orçamento próprio. Queremos instalar uma Central de Serviços Compartilhados às Confederações e rediscutiremos os critérios e políticas de distribuição da Lei das Loterias”.

Porém, o principal desafio será comandar o Time Brasil nos Jogos Olímpicos de Tóquio no ano que vem. “É importante fazer o que estamos fazendo. Apreender com os erros e seguir da forma que nos propusemos. Acho que a manutenção de toda equipe vai dar tranquilidade para os atletas nesse período de incertezas”, declarou o vice-presidente Marco La Porta.

Comissão de Atletas

A eleição desta quarta ficou marcada pela expressiva participação da Comissão de Atletas, que pela primeira vez teve direito a 12 votos na Assembleia. A votação contou ainda com 34 representantes das Confederações Brasileiras Olímpicas e dois membros do Comitê Olímpico Internacional (COI), totalizando 48 votantes. A Confederação Brasileira de Handebol (CBHb) não enviou representante.

“Ao me candidatar com o Marco La Porta, buscávamos a possibilidade de uma evolução ainda maior do COB e do esporte brasileiro. É esse o compromisso que firmamos após o resultado das urnas. Falaremos sempre de transparência, austeridade e meritocracia, além de competência e excelência. O objetivo é ampliar os mecanismos de governança, transparência e conformidade, aprimorando o tão bem-sucedido programa Gestão, Ética e Transparência, para que possamos ter uma gestão genuinamente esportiva”, concluiu Paulo Wanderley, que assumiu a presidência do COB em 11 de outubro de 2017, após a saída de Carlos Arthur Nuzman, afastado por envolvimento em casos de corrupção.



Juliano Justo – Repórter da TV Brasil e da Rádio Nacional

Link

Redação
Leia no Portal RBN como mais notícias do Brasil e do mundo sobre: ​​Entretenimento, Esportes, Vida, Jogos, Cultura e muito mais! https://portalrbn.com.br

Seleção inicia Eliminatórias sem laterais incontestáveis

Artigo anterior

Neymar deixa treino da seleção com dores lombares e vira dúvida

Próximo artigo

VOCÊ PODE GOSTAR

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais em Esportes